Notícias

Aliados salvam Temer pela segunda vez

Depois de mais de 12 horas, num dia marcado por obstrução de opositores e falas de aliados em defesa da agenda golpista de Temer, a compra de votos ganhou. Por 251 votos contra 233, duas abstenções e 25 ausentes, Michel Temer se salvou pela segunda vez e ainda beneficiou os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral.

Por Christiane Peres

Todos foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa, mas com o resultado, só poderão ser investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) após o fim do mandato.

“É um achincalhe com a população essa Câmara não ter autorizado o processo. Temer, o mestre das tramas, comprou parte do Plenário, vende o Brasil e fere de morte os direitos sociais. O que nos cabe é mobilizar a população, pois não bastam as redes sociais”, afirmou a líder comunista, Alice Portugal (BA).

Assim como na primeira denúncia, muitos deputados da base dedicaram seus votos à “estabilidade política e honestidade de Temer”, ignorando as provas trazidas pela denúncia da PGR, outra, porém, não saiu de um rápido “sim”, visto que não havia justificativas plausíveis para a rejeição do andamento da investigação. “Os deputados sérios e compromissados querem a permanência de Temer”, defendeu Wladimir Costa (SD-PA), que na primeira denúncia chegou a tatuar com hena homenagem a Temer no ombro.

Demagogias a parte, a salvação de Temer não saiu barata. Cálculos divulgados na imprensa dão conta que a negociação para barrar as duas denúncias criminais contra o presidente da República custou aproximadamente R$ 32,1 bilhões. O valor leva em conta as diversas concessões e medidas do governo negociadas com parlamentares da Câmara entre junho e outubro, desde que Temer foi denunciado pela primeira vez, por corrupção passiva, até a votação desta segunda acusação.

O “investimento” em sua manutenção no cargo superou, por exemplo, os recursos destinados pelo governo de Temer para pagar o Bolsa Família em 2018. O programa de complementação de renda foi orçado em R$ 26 bilhões para o ano que vem, R$ 6 bilhões a menos que os pagamentos da salvação da pele do peemedebista.

Para o deputado Rubens Pereira Jr (PCdoB-MA) este é o retrato fiel do governo Temer, um governo que não “tem dinheiro para saúde, educação, mas que, infelizmente, para comprar votos teve”.

Agora, com o resultado favorável, Temer deve retomar a pauta de retirada de direitos e tentar avançar com a famigerada Reforma da Previdência, por exemplo.

Para a presidente nacional do PCdoB, deputada Luciana Santos (PE), esta era a chance de “barrar a agenda ultraliberal que vem sendo apresentada por Temer”. No entanto, disse a parlamentar, “apesar do revés”, a bancada comunista “continuará lutando pelos interesses da população”.

Confira a avaliação dos deputados do PCdoB

Fonte: Portal Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha