Notícias

As transformações políticas mais interessantes estão ocorrendo fora da Europa

5 de agosto de 2009

“A América Latina é hoje a frente mais importante na luta contra o imperialismo”. Essa é a constatação feita pelo sociólogo e professor da Universidade de Coimbra Boaventura Sousa Santos, que ministrou nessa terça-feira (4/3), em Belo Horizonte, a conferência Epistemologias do Sul – O papel dos Movimentos Sociais na Produção de Saberes, promovida pelo Sinpro Minas e pelo Centro de Estudos Sociais da América Latina.

Segundo ele, a região tem sido um laboratório de importantes lutas e mudanças sociais, como a dos indígenas, camponeses, mulheres, que apontam para alternativas ao capitalismo global. Mas essas lutas e mudanças, avalia Boaventura, ainda não foram compreendidas teoricamente, e essa distância entre teoria e prática tem gerado um efeito de invisibilidade. “Ainda não temos conceitos e saberes que nos ajudem a tematizar e dar força às práticas novas que estão surgindo no mundo. E como não temos conceitos, elas não são visíveis, estão ausentes”, disse o sociólogo para um auditório lotado, com mais de 400 pessoas. Segundo ele, essa invisibilidade cria a ideia de que não há alternativas.    Para mudar esse quadro, Boaventura defendeu a reinvenção da teoria da emancipação social. “Temos que valorizar outros saberes. Sabemos que há muitos grupos sociais que eram invisíveis para a teoria crítica e são eles que hoje estão conduzindo talvez as lutas mais importantes. Nossas teorias não veem e não valorizam essas lutas, não as reconhecem. Temos que nos distanciar um pouco da tradição da nossa teoria crítica para ver uma paisagem nova, a dos movimentos sociais”, afirmou. 

De acordo com o sociólogo, os movimentos sociais e populares precisam se articular, respeitando a diversidade. “Temos hoje que saber criar a união na diversidade. Precisamos de multiplicidade de teorias. Para viver a diversidade temos que aprender novos conceitos”.

Para o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, o Brasil ainda tem um olhar pouco atento para o acontece na região. “É preciso respeitar o processo que vem ocorrendo na América Latina. Vivemos uma forte pressão do império do norte [os EUA]”, afirmou Gilson Reis. Ele chamou a atenção para o recente golpe militar em Honduras (leia artigo sobre o assunto). “É preciso denunciar, resistir, lutar para que ocorram mudanças”, disse o presidente do Sinpro Minas, depois de convidar a todos os presentes para o ato contra o golpe militar que será realizado neste sábado (8/8), às 12 horas, na Praça Sete (Centro de Belo Horizonte). 

Em breve, o Sinpro Minas vai disponibilizar para os interessados um dvd com os principais trechos da conferência. Mais informações: (31) 3115-3000 / www.sinprominas.org.br.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha