Notícias

Campanha mostra descaso do governo com saúde do povo

Em Belo Horizonte, o dia de hoje, 18 de junho, está sendo marcado por uma intensa campanha audiovisual de ocupação da cidade para conscientizar e sensibilizar a população sobre o enfrentamento da pandemia de Covid-19. Realizada pelo o Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco (APUBH),  a campanha intitulada “E Daí” ocupa também as redes sociais da instituição.

De acordo com o 2º Vice-Presidente do APBUH, o professor de física do Colégio Técnico da UFMG,  Helder de Figueiredo e Paula, a campanha foi idealizada pelo Comitê de Mobilização do APUBH. “Criado para realizar ações de comunicação e mobilização durante o período de pandemia e isolamento social, o Comitê viu a necessidade de expressar para a população também a indignação e repúdio dos/as professores/as das universidades federais sobre a forma leviana e criminosa como o governo federal está conduzindo o enfrentamento à pandemia. Para isso, usamos várias frases ditas pelo presidente Jair Bolsonaro, que relativizam o isolamento ou ironizam as informações e os números de mortes pelo COVI-19”, afirma.

Frases como, por exemplo: “E Daí? Lamento. Quer que eu faça o  quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre!”; “Todos nós iremos morrer”; ou “Não sou coveiro” são respondidas por professores das universidades federais tanto em cards como em pequenos áudios, postados nas redes sociais (Twitter @Apubh, Instagram e Facebook @apubhufmgsindicato). Os áudios foram veiculados também em carros de som que rodaram os bairros de Belo Horizonte durante toda a tarde.

Na avaliação de Helder, esta campanha é significativa por ter sido precedida de um abaixo-assinado em defesa do isolamento social que, em pouco mais de uma semana, reuniu 947 assinaturas. “Isto mostra que um conjunto significativo de professores/as da UFMG, provavelmente, compreendem que o presidente hoje atua como um obstáculo ao enfrentamento à pandemia da Covid-19. As pautas expressamente políticas são temas difíceis para o sindicato, pois na base há professores/as com diferentes orientações políticas e a atuação sindical está muito vinculada à defesa dos direitos econômicos e trabalhistas da categoria. No entanto, a adesão à campanha é fruto de uma crescente indignação com o absurdo número de pessoas que morreram  pela  Covid -19, que já ultrapassa  45 mil. O país  segue no caos, sem ministro da saúde e com um governo que não se compromete com o combate à proliferação da enfermidade”, ressalta.

O professor do departamento de Comunicação Social da UFMG, Eduardo de Jesus, membro do Comitê de Mobilização,  afirma que  a campanha é necessária  e tem uma função muito importante neste momento. “Queremos ampliar o debate em torno do modo como o governo federal vem tratando a grave pandemia.  Sempre de forma desrespeitosa com as vítimas e os familiares que  perderam seus entes queridos e sobretudo sem um plano, sem uma liderança que pudesse conter o avanço. Usamos uma linguagem simples e direta, com o objetivo de deixar claro essa postura irresponsável e negligente com a saúde pública para ajudar as  pessoas a pensarem de forma crítica sobre a gravidade do momento que vivemos e qual é  o papel do Estado”, afirma.

WhatsApp Image 2020-06-18 at 18.07.38 (1)   WhatsApp Image 2020-06-18 at 18.07.38 (2)WhatsApp Image 2020-06-18 at 18.07.38 (4)

WhatsApp Image 2020-06-18 at 18.07.38 (3)

SpotCarrodeSomCampanhaEDaí

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha