Notícias

Campanha Salarial – Região Norte

3 de julho de 2008

Intransigência patronal empurra negociações para a Justiça do Trabalho

Diante do impasse nas negociações com o sindicato patronal no norte do estado (Sinepe/Norte), o Sinpro Minas instaurou, no dia 22 de junho, o Dissídio Coletivo. Com isso, ficará a cargo da Justiça do Trabalho examinar as propostas da pauta de reivindicações da categoria e julgar o que for procedente. O Tribunal Regional do Trabalho ainda convocará as partes para uma reunião de conciliação, antes do julgamento do Dissídio, ambos sem data definida.

Mesmo com a campanha salarial tendo caminhado para o impasse, com a necessidade de intervenção da Justiça do Trabalho, os professores não podem cruzar os braços. A mobilização continua sendo o maior instrumento para pressionar os donos de escolas a reconhecerem que a valorização da educação passa pela melhoria das condições de trabalho e por salários dignos para os profissionais. Por isso, é fundamental a presença da categoria na assembléia do dia 10 de julho (quinta-feira), às 17 horas, na regional do Sinpro Minas em Montes Claros (Rua Januária, 672 – Centro).

Nas negociações deste ano, os representantes do Sinepe/Norte mantiveram uma postura intransigente e se recusaram a atender as demandas dos professores por melhores condições de trabalho e salários. Durante todo o processo, o presidente da Comissão de Negociação do Sinepe/Norte, Elisiário Pereira Rezende, insistiu na precarização das conquistas, propondo a retirada de vários direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT).

A situação no norte de Minas é a pior do estado. É a única região onde a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) não foi assinada. Em todas as outras – Minas Gerais, Sudeste, Idiomas, Poços de Caldas e Triângulo Mineiro –, as negociações resultaram na assinatura da CCT e na manutenção dos direitos dos professores, além da recomposição salarial, com ganho real. A precarização das condições de trabalho dos professores se intensificou depois que grandes grupos educacionais, interessados somente na lucratividade do negócio, se instalaram na região. Entre esses grupos estão a Soebras (com aproximadamente três mil funcionários em toda a região), do deputado estadual Ruy Muniz, e a Kroton Educacional, da qual fazem parte o Pitágoras e a Faculdade Ined. Por não se importarem com as condições de trabalho da categoria, alguns empresários da educação fortalecem um ambiente favorável à expansão de escolas que somente se preocupam com lucros fáceis, em detrimento de um ensino de qualidade.

Para o Sinpro Minas, as reivindicações dos professores representam avanços nas condições de trabalho que irão repercutir na melhoria da saúde dos docentes e na qualidade do ensino. O sindicato avalia que, diante do cenário econômico favorável e do crescimento do setor educacional na região, não há razões de ordem econômica para deixar de atender as demandas dos professores, conforme alegam os donos de escolas. Diante da situação, a categoria deve se manter mobilizada e exigir o cumprimento dos seus direitos duramente conquistados.

Trabalhamos Muito! Merecemos Mais! Não à mercantilização da educação.

 

Assembléia de professores – Região NorteData: 10 de julho – quinta-feira Local: Regional Montes Claros (Rua Januária, 672 – Centro)Horário: 17 horasPauta: Campanha salarial 2008

Acesse o INTERVALO 377 (PDF).

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha