Notícias

Centrais entregam abaixo-assinado pela redução da jornada de trabalho

6 de junho de 2008

Os presidentes das centrais sindicais (CTB, CUT, Força Sindical, UGT,
Nova Central e CGTB) entregaram, durante uma audiência pública realizada
nessa terça-feira (3), na Câmara dos Deputados, o abaixo-assinado com mais de 1,5 milhão
de assinaturas ao presidente da Casa, Arlindo Chinaglia
(PT-SP). O documento reivindica a aprovação da PEC 393/01, de autoria
dos senadores Inácio Arruda (PCdoB-CE) e Paulo Paim (PT-RS), que
estabelece a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas
semanais.

Estavam presentes aproximadamente mil trabalhadores de 15 Estados. O
presidente da CTB, Wagner Gomes, disse que a
questão da redução da jornada de trabalho é uma necessidade imperiosa
para diminuir o desemprego. Outro aspecto positivo da redução da jornada levantado pelo presidente
da CTB foi o a distribuição da renda nacional. “O nosso país sempre
cresceu, senhor presidente, mas cresceu sem distribuir renda, e uma
forma de distribuir renda é reduzir a jornada de trabalho”, enfatizou Wagner.

Wagner Gomes também fez um apelo ao presidente da Câmara dos Deputados
no sentido de agilizar a aprovação da PEC. “Esta mesma Câmara dos
Deputados que foi responsável pelo reconhecimento das centrais
sindicais, esta mesma Câmara que junto com o Senado ajudou a criar uma
lei do salário mínimo que tem trazido uma vantagem grande para os
trabalhadores, companheiro Arlindo Chinaglia, pode marcar a história
reduzindo a jornada de trabalho”, afirmou.

O presidente da CTB disse aos empresários presentes na audiência
pública que o trabalhador não nasceu só para trabalhar. “Ele precisa de
tempo para poder descansar o mínimo, precisa de lazer, precisa ter
contato com sua família e, ao contrário do que dizem, a redução da
jornada aquece a economia, por isso a sua importância”, destacou.

Ponto de vista social

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
(IPEA), Márcio Pochmann, explicou que para produzir no ano passado R$
2,4 trilhões, a soma das suas riquezas identificadas no Produto Interno
Bruto (PIB), o Brasil poderia ocupar todos os trabalhadores se a
jornada de trabalho fosse de 36 horas e 44 minutos semanais. Segundo
ele, 36,4% dos trabalhadores brasileiros trabalham mais de 45 horas
semanais.

O diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar
(Diap), Antônio Augusto de Queiroz, conhecido como Toninho do Diap,
afirmou que todos os indicadores do ponto de vista econômico, social e
fiscal recomendam a redução da jornada no Brasil. “Do ponto de vista
social, por exemplo, a redução da jornada pode significar a humanização
das relações de trabalho, a melhoria da qualidade de vida do
trabalhador que vai ter mais tempo para passar com a família”, disse.

Resistência dos empresários

O presidente nacional da CUT, Artur Henrique, disse que o
crescimento e o desenvolvimento do país estão atrelados às melhores
condições de trabalho e de vida. “A redução da jornada de trabalho para
40 horas é fator fundamental para isso, já que significa qualidade de
vida, dando ao trabalhador e à trabalhadora mais tempo para o convívio
familiar e social, mais tempo para o lazer, para o estudo e para a
qualificação, o que beneficia toda a sociedade”, afirmou.

O presidente da CGTB, Antônio Neto, disse que só o patronato não quer a
redução da jornada de trabalho, comparando a resistência dos
empresários ao que aconteceu na década de 20, quando a indústria
opôs-se às férias de 30 dias alegando que o operário “ficaria em casa
batendo na mulher”.

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o
Paulinho — que também é deputado federal pelo PDT de São Paulo — disse
que o fato de os sindicalistas e representantes dos trabalhadores
ocuparem o plenário da Câmara para discutir a redução da jornada foi um
acontecimento histórico. “Não me lembro, na história do Brasil, de um
momento em que os trabalhadores pudessem sentar-se neste espaço e
discutir suas questões”, disse.

Paulinho da Força, como é conhecido, listou medidas aprovadas pela
Câmara recentemente e que beneficiaram os trabalhadores, como a
legalização das centrais sindicais, a correção da tabela do Imposto de
Renda, a regulamentação do trabalho aos domingos no comércio, a
definição de uma política permanente para o aumento do salário mínimo.

Projetos priorizados

O presidente da UGT, Ricardo Patah, alertou para o fato de que
os trabalhadores do comércio já tiveram os domingos quase transformados
em dias normais. Patah disse ainda que os empresários não podem ser
contrários à redução da jornada, que será uma conquista para os
trabalhadores.

Chinaglia disse que os projetos em tramitação na Casa sobre o tema
devem ser priorizados, em razão do apoio popular à medida. “Não há tema
proibido para a Câmara, e esse tema precisa ser votado em algum
momento”, disse. À tarde, as centrais sindicais entregaram os
abaixo-assinados ao presidente do Senado Garibaldi Alves Filho
(PMDB-RN). Segundo o senador, o assunto terá a prioridade e se
comprometeu publicamente a colocar o tema em votação após o
destrancamento da pauta — travada por seis Medidas Provisórias (MPs).

Fonte: Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha