Notícias

Condenação desproporcional para uma sapatada

13 de março de 2009

A condenação a três anos de prisão para o jornalista iraquiano Muntazer al Zaid, que atirou seus sapatos contra o então presidente americano, George W. Bush é totalmente desproporcional. Em 14 de dezembro de 2008, em plena entrevista coletiva de Bush em sua última visita ao país como presidente, Al Zaid levantou bruscamente e gritou: “Este é o beijo de despedida, cachorro!” e lançou os sapatos em Bush, que conseguiu se esquivar.

A atitude de Zaidi o tornou em herói nacional e gerou protestos públicos por todo o mundo contra a política internacional dos EUA. No Iraque, como em grande parte do mundo árabe, jogar o sapato é uma das maiores ofensas que se pode cometer contra uma pessoa.

O anúncio da condenação do jornalista, que já estava preso e chegou a ser  espancado, conforme denúncias de seus familiares, voltou a gerar protestos em todo o mundo. A Federação Internacional de Jornalistas (FIP), que reúne mais de 600 mil jornalistas em mais de cem países, considera que o profissional cometeu um erro grave, mas era algo que poderia ter sido resolvido de uma maneira interna e não numa corte de justiça. Para a FIP, a resposta iraquiana é lamentável deveria ter a pena reduzida.

No julgamento, ocorrido no dia 12/03, o tribunal iraquiano aceitou o argumento da defesa, que alegou que a atitude do jornalista não poderia ser considerada um ataque a um chefe de Estado, mas sim uma ofensa. Caso o ato de Zaid fosse considerado uma agressão a um chefe de Estado, o repórter poderia ser condenado a 15 anos de prisão. Na primeira sessão do julgamento, em 19 de fevereiro passado, Zaid disse que tinha decidido lançar seus sapatos contra Bush para vingar a “opressão dos Estados Unidos no Iraque” e protestar contra a ocupação militar estrangeira em seu país.

“Senti que o sangue dos inocentes corria debaixo dos meus pés quando vi o sorriso de Bush, que veio para se despedir do Iraque (…) após deixar mais de um milhão de mártires, além da destruição econômica e social do país”, afirmou o jornalista na ocasião, segundo o relato de seus advogados.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha