Notícias

Contee repudia intervenção federal no Rio de Janeiro

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee manifesta seu repúdio ao decreto de Michel Temer para intervenção federal no Rio de Janeiro. De viés demagógico, com a falsa ideia de atenção à segurança pública, a medida pode ser vista também como mais uma demonstração do recuo democrático, tal qual serviram, em 2016, o argumento do combate à corrupção que levou à ilegítima destituição de Dilma Rousseff, e, acentuadamente no ano passado, o crescimento do moralismo por trás de discursos contra uma pretensa “ideologia de gênero”, da perseguição a manifestações artísticas e do recrudescimento de grupos reacionários como os que encampam o Movimento Brasil Livre (MBL) e o programa Escola Sem Partido.

Por um certo ângulo, a medida de Temer, aliada ao governo do Rio de Janeiro, pode ser compreendida como uma tentativa de atrair a extrema direita. Um dos motivos é o fato de ter invocado não a Garantia da Lei e da Ordem, mas uma intervenção federal — nome que, como alguns críticos já observaram, soa aos ouvidos leigos próximo da “intervenção militar” defendida por ultraconservadores. Outra possível explicação já apontada, que se atrela a essa, é a busca por um aumento da popularidade de Temer pela sua suposta preocupação com o tema da segurança pública, como mencionado anteriormente. Há ainda a hipótese da cortina de fumaça para a votação da reforma da Previdência. Nesse caso, se, por um lado, a Constituição não pode ser alterada durante uma intervenção federal — e a reforma é uma proposta de emenda à Constituição —, por outro, o próprio Temer anunciou que retiraria a intervenção para a votação da PEC e o anúncio do decreto sobre poderia ser uma estratégia para enfraquecer as manifestações marcadas para o dia 19.

Seja uma estratégia de propaganda, um escamoteamento da rejeição crescente dos golpistas, uma ação tática mirando as eleições de outubro, um aprofundamento do golpe e/ou uma desmobilização da luta contra a reforma da Previdência, fato é que esse governo que usa de desvios constitucionais para pretensamente combater a criminalidade no Rio de Janeiro — que, sim, é preocupante — é o mesmo que aniquila direitos sociais e trabalhistas e que faz aprofundar a desigualdade no país, atitudes que estão na contramão de uma efetiva e necessária política de  segurança pública.

Brasília, 17 de fevereiro de 2018.

Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino — Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha