Notícias

Nota sobre a contribuição sindical

Escolas desrespeitam decisão soberana dos professores

O Sinpro Minas tem recebido denúncias de que algumas escolas estão exigindo dos professores uma declaração, por escrito, autorizando o desconto da contribuição sindical.

A Kroton, grupo empresarial que atua no setor educacional, com um longo histórico de desrespeito aos direitos trabalhistas em todo o país, vai além e diz que, caso o professor não queira fazer a contribuição, basta não adotar qualquer medida.

Vale esclarecer, diante dessa prática ilegal e antissindical por parte dessas escolas, que a reforma trabalhista, aprovada no ano passado, alterou o trâmite para que o recolhimento seja feito, mediante autorização prévia que pode ser definida em assembléia da categoria, espaço soberano e coletivo de deliberação dos trabalhadores.

E foi essa a decisão tomada nas assembleias feitas em outubro e novembro do ano passado, em todo o estado, e reiterada pela assembleia do dia 16 de fevereiro, em Belo Horizonte. Com essa decisão, referendada nas assembleias, o desconto passa a vigorar, sem a necessidade da declaração individual dos professores.

Nas ocasiões, os professores entenderam a gravidade da atual situação e a necessidade de sustentação financeira da entidade sindical, como forma de garantir a continuidade das lutas em defesa dos direitos e por melhores condições de vida da categoria.

Eles também analisaram que o desconto feito dessa maneira é a melhor forma de impedir qualquer perseguição, por parte da diretoria das escolas, caso os professores se manifestem favoravelmente à contribuição.

A reforma trabalhista, não há mais dúvidas, foi aprovada com dois objetivos principais: favorecer o setor empresarial, depreciando o valor do trabalho no mercado, por meio da precarização dos direitos, e enfraquecer sobremaneira as entidades sindicais que representam os trabalhadores brasileiros.

Ao agir dessa forma, as escolas estão desrespeitando a decisão soberana dos professores em assembleia, com o claro objetivo de dificultar ou não permitir que o Sinpro Minas continue a sua trajetória de luta em defesa da categoria, que já alcança 85 anos de história.

Dessa forma, o Sinpro Minas reitera que a prática dessas escolas é ilegal e antissindical e reafirma o pedido aos professores que permaneçam firmes na luta pela manutenção das conquistas e por melhores salários e condições de trabalho da categoria.

Sindicato dos Professores de Minas Gerais – Sinpro Minas

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha