Notícias

Corte de vagas na educação integral em Minas vai afetar 81 mil alunos

A imprensa mineira noticiou, nesta quinta-feira (11/4), que o governo Zema vai reduzir 70% da quantidade de escolas em regime ampliado, com o objetivo de cortar investimentos.

A medida vai atingir cerca de 81 mil alunos. Segundo a secretaria estadual de Educação, a educação em tempo integral será ofertada em apenas 500 escolas, de acordo com a situação de vulnerabilidade social e com baixo nível socioeconômico dos estudantes.

Atualmente, 1640 instituições de ensino estaduais possuem o programa. Na prática, o governo vai passar dos atuais 45% de estabelecimentos de ensino da rede com jornada ampliada para somente 13,8%.

A decisão torna mais distante o cumprimento da meta 6 do Plano Nacional de Educação (PNE), que prevê a oferta de educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas até 2024.

Na avaliação da diretoria do Sinpro Minas, a medida do governo estadual representa um retrocesso para milhares de estudantes no estado, que terão o ensino prejudicado. “As experiências nacionais e internacionais mais exitosas no campo do ensino apontam para a importância da educação em horário integral. Se bem desenvolvida, com boas condições de trabalho para os professores e infraestrutura e atividades adequadas para os alunos, representa um avanço muito importante em termos de aprendizagem. No entanto, o que se observa é que o nosso estado tem sido cada vez mais mínimo para a população e máximo para alguns poucos empresários e rentistas”, afirma o Sinpro Minas, ao criticar a atual gestão.

A presidenta do sindicato e da CTB Minas, Valéria Morato, afirma que a decisão do governo Zema mostra o descaso dele com a educação. “Ao longo da eleição, o candidato disse várias vezes que a educação seria uma prioridade. No entanto, está ficando cada vez mais evidente de que isso não passou de retórica de campanha. É uma medida para sucatear a educação pública no estado e, em seguida, privatizá-la”, criticou Valéria Morato.

Segundo a presidenta do Sinpro Minas, a decisão do governo Zema compromete não somente o ensino de milhares de estudantes, mas também a inclusão social. “O governo alega dificuldades financeiras, mas os reais compromissos firmados com o setor empresarial, que inclusive drenam recursos dos cofres públicos, permanecem inalterados. Enquanto isso, os serviços do Estado destinados à população mineira são gradativamente precarizados. As recentes decisões sinalizam que este governo não tem compromisso com a oferta de uma educação pública, gratuita, de qualidade, para todos e socialmente referenciada. Ao não investir no setor, promove o seu sucateamento, na contramão daquilo que o país precisa, que é mais investimentos em educação, como forma de promover não só a inclusão social, mas também garantir o desenvolvimento econômico do país”, ressaltou.

De acordo com as informações noticiadas pela imprensa, a secretaria informou, por meio de nota, que deve divulgar em breve a lista das escolas contempladas.

*Por Denílson Cajazeiro, com agências.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha