Notícias

CTB repudia ataque machista do presidente da República à jornalista

As mulheres trabalhadoras da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), vêm a público repudiar veemente as declarações machistas, misóginas, sexistas, repugnantes e de cunho sexual do presidente da República do Brasil, Jair Bolsonaro, contra a repórter Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, transmitidas ao vivo em vídeo amplamente divulgado.

Patrícia Campos de Mello, profissional reconhecida por seu trabalho e jornalista mais premiada do Brasil em 2019, segundo o Ranking J&Cia dos +Premiados da Imprensa Brasileira, vem sofrendo perseguições e ataques nas redes sociais por uma matéria em que denunciou apoiadores da candidatura de Bolsonaro em 2018, por investimentos não declarados da ordem de R$ 12 milhões, o que é vedado pela justiça eleitoral.

Além das perseguições, a jornalista também foi alvo de calúnias e injúrias sexistas por depoente na CPMI das fake news, com o claro intuito de desqualificar seu trabalho e a sua pessoa, principalmente a sua condição de ser mulher.

É com grande indignação, mas sem grande surpresa, que constatamos o silêncio de boa parte das instituições oficiais brasileiras que preferem ignorar o comportamento do atual presidente do Brasil, sem precedentes na história do país.

O governo Bolsonaro ratifica o desprezo para além do ataque aos direitos e às políticas públicas pelos direitos e pela segurança das mulheres expresso na reforma trabalhista, na reforma da previdência e nos cortes ao orçamento.

De forma vulgar e repugnante, ataca a honra das mulheres, através do uso de pretensas piadas de cunho sexual para desqualificar sua competência e capacidade profissional. Típico de criaturas toscas e vulgares com pouco ou nenhum apreço à civilidade e ao reconhecimento de direitos coletivos que a convivência em sociedade exige.

A história da luta e das conquistas das mulheres trabalhadoras confunde-se com as grandes lutas do povo, por igualdade de direitos, por maior participação na política e nas instâncias de poder e decisão, por mais saúde, mais educação, por liberdade e democracia. Luta que vem ganhando grande força em nível mundial com a expressiva participação de mulheres nos espaços de poder e decisão.

Não somos minoria. Somos 52% do povo deste país!

As mulheres classistas exigem respeito e reafirmam a defesa intransigente das garantias e do direito inalienável à liberdade de expressão, do exercício profissional sem que sofram por parte de ninguém, ofensas à sua dignidade profissional ou violência sexual de qualquer espécie, em especial daquele que ocupa o mais alto cargo da República brasileira.

Mexeu com uma, mexeu com todas!

#SomosTodasPatríciaCamposDeMello

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha