Notícias

Divisão na base de Temer é combustível para movimentos

“O fato de ter tido na votação de ontem mais que o dobro da representação da oposição no parlamento é uma demonstração que mesmo com liberação de recursos e compensação financeira o governo de Temer não conseguiu manter a base coesa. Isso (A vitória apertada na Câmara) é combustível, sim, para o movimento social”, declarou ao Portal Vermelho Antonio Augusto de Queiroz, o Toninho, jornalista e consultor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Por Railídia Carvalho

Oposição não venceu mas equilibrou a votação tirando votos da base aliada de TemerOposição não venceu mas equilibrou a votação tirando votos da base aliada de Temer Nesta quarta-feira (2), o plenário da Câmara dos Deputados arquivou por 263 a 227 a denúncia de corrupção passiva feita pela Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer. Longe do que o governo esperava, a vitória foi apertada. Os votos pela abertura da investigação tiveram o reforço de aliados de Temer.

Toninho vê por trás dos votos dissidentes, a preocupação com as eleições de 2018. Pesquisa feita do Ibope/Avaaz apontou na última semana que 8 em cada 10 eleitores apoiavam a investigação contra Temer. Para 79% dos entrevistados quem votou para barrar a investigação seria “cumplice da corrupção”.

“É importante para o movimento sindical e social lembrar que nas quatro ultimas eleições havia financiamento empresarial de campanha, portanto, os candidatos tinham dinheiro para contratar marqueteiro e cabo eleitoral. Em 2018 não terão mais, e vão ter que convencer o eleitor”, relembrou Toninho.

Na opinião dele, o eleitor que perdeu vários direitos e tem outros ameaçados pelas políticas do atual governo deverá pensar duas vezes na hora de votar. “Nas últimas eleições não havia ameaça aos direitos no horizonte então o eleitor votava irrefletidamente e até trocava o voto por algum tipo de vantagem”.

Dia Nacional de Luta

O presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, defende a organização de um dia nacional de luta para a segunda quinzena de agosto. Para ele é preciso dar uma resposta à altura dos retrocessos impostos ao país pelo governo de Temer.

“Temos que encher as ruas contra o governo ilegítmo, essa é a nossa resposta. Temos grande responsabilidade na condução do destino do país e isso justifica um dia nacional de lutas em defesa da democracia e dos direitos da classe trabalhadora. Não podemos nos dar por vencidos”.

O dirigente analisou que o resultado desta quarta revelou que Temer não está numa zona de conforto. “Pelo contrário, ele usou de mil mecanismos para impor uma maioria absoluta e sua base jogou água”.

Adilson reiterou que a realização de um dia nacional de luta dos movimentos sociais está em sintonia com o momento de enfrentamento e denuncia do desemprego no país (14 milhões de desempregados), da fracassada política econômica do governo e o aumento de impostos.

Para o presidente da CTB, as eleições de 2018 será o momento da prestação de contas dos parlamentares com o eleitorado. “Vai ser uma batalha política. Um momento em que a sociedade vai refletir que não elegeu deputado para abolir direitos, congelar investimentos. A população vai despertando de alguma maneira e a maior prova disso são as pesquisas. A maioria considera Temer ilegítimo, imoral e impopular”.

Fonte: Portal Vermelho

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha