Notícias

É preciso profanar!

É possível ouvir, observar, pensar, criar e agir ao mesmo tempo. Porque não fazermos isto agora?

*Por José Luiz Quadros de Magalhães

A recente greve dos caminhoneiros autônomos, seguido de locaute de empresas de transporte e adesão de outros trabalhadores autônomos, deixou muitas pessoas desnorteadas, à direita e a esquerda. Muitos textos analíticos, em direções interpretativas distintas têm sido produzidos
e ajudam a montar o quebra cabeça.

Primeiro, o que podemos extrair de tudo isso é um grande mal-estar. Há um grande mal-estar e uma vontade grande de uma explosão que acabe com ele: o mal-estar oculto. Como em 2013, as pessoas apontam para as questões visíveis que nos incomodam, e apontamos culpados. O dedo indicador vai em todas as direções, da direita à esquerda: a culpa é do Temer; da Dilma; da direita; da esquerda; do neoliberalismo; do comunista; do Lula; do conservador; da ignorância, e assim continua. Isso é muito comum: identificamos um ou vários fatos que nos oprimem e apontamos o dedo para alguém. Ora, parece claro que foi fulano, mas, nunca foi. O culpado (ou o responsável) nunca é aquele para quem apontamos o dedo primeiro (ou com certeza não é só ele), por isso é preciso pensar, analisar, observar.

O sistema “moderno” vem dando sinais claros de esgotamento. Mas não podemos ficar só observando. Há uma guerra ideológica em curso. Uma guerra hibrida, econômica, cultural, ideológica, psicológica, uma guerra por construção de explicações do mundo e indicação de “culpados”. Precisamos participar, intervir, agir rápido, pelo menos para não permitir a hegemonia de um discurso falso. Mesmo que seja, por enquanto, apenas para apontar as inconsistências e mentiras produzidas pela guerra ideológica. É necessário agir. Não vou aqui entrar, na já irritante e diária “mea culpa” da esquerda. Me lembra uma oração que aprendi pequeno na escola católica: “minha culpa, minha culpa, minha tão grande culpa”. Confesso que ando irritado com tanta autocrítica. Aprendemos com a história, precisamos perdoar, inclusive a nós mesmos, e perceber que pode ter sido o possível naquele momento. Acredito que nesse momento, é preciso ouvir.
Ao mesmo tempo que disputamos narrativas denunciando a mentira e manipulação, precisamos ouvir o que as pessoas estão falando. Precisamos entender o sentimento do caminhoneiro, do jovem de periferia que não quer patrão e se sente empreendedor, precisamos entender o sentimento das pessoas, do cidadão dito não politizado. Daqueles que não estão filiados aos partidos políticos. Ouvir suas palavras e seus sentimentos, inclusive o sentimento de raiva. É preciso parar de colocar palavras e soluções em suas bocas, e que não chegam em suas mentes, e principalmente, especialmente, não chegam emseus corações. Precisamos construir soluções conjuntamente. Resgatar o comum.
É preciso criar. O sistema moderno afundou. O Estado, o capitalismo, a democracia representativa, o judiciário, estão em uma crise que demonstra a incapacidade dessas ideias e instituições responderem às necessidades de um mundo em profunda transformação. É preciso criar. Não dá mais para remendar isso aí. A democracia constitucional representativa com seu aparato judicial sempre foi um teatro, agora revelado. A parcialidade do sistema sempre esteve presente nas vidas dos pobres e trabalhadores, parcialidade e brutalidade que parecem para muitos uma novidade. Precisamos de outra coisa, outra forma de solucionar os conflitos (necessários na nossa vida). Precisamos de outra forma de construir nosso dia a dia. Precisamos de falar de novo em ética e de uma sociedade sem punição e cárcere. É necessário ousar. Por último, por enquanto, é preciso profanar. Infiltrar e profanar. Ocupar os poderes, ocupar a economia, e fazer de forma distinta.
Lembrando o filósofo Giorgio Agambem, profanar significa ignorar os usos congelados, pré-determinados, ignorar os mitos que sustentam os ritos e dar novos usos às palavras, ideias e instituições. Ou por que não, acabar com elas, as instituições modernas. Um prédio que serve ao
cárcere pode servir para abrigar livros, ou, melhor, pode dar lugar a um parque onde possamos correr livres, todos.

*Presidente da Rede para um Constitucionalismo Democrático na América Latina

Ouça aqui  o próprio professor José Luiz Quadros de Magalhães pela Rádio Sinpro Minas!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha