Notícias

Entenda a situação na Universidade

31 de março de 2008

Reitoria quer impor acordo aos professores

Em novembro do ano passado, a Reitoria apresentou uma proposta de Acordo Coletivo de Trabalho que retira diversos direitos dos professores, como a redução no valor do adicional por tempo de serviço e alterações prejudiciais no auxílio carga horária, concedido aos docentes para a realização de mestrado e doutorado. Na assembléia realizada em dezembro, essa proposta foi amplamente rejeitada pelos professores. Em fevereiro deste ano, em outra assembléia, realizada com o objetivo de discutir os rumos da negociação, a Reitoria, numa atitude incompatível com uma instituição de ensino que se diz humanista, espiritualista e socialmente responsável, convocou a sua “tropa de elite” – professores com cargos de confiança – para comparecer e votar a favor da sua proposta, mas essa manobra não deu certo.   Nas reuniões de negociação, o que ficou claro é que a direção da PUC Minas quer impor um acordo aos professores. Ao contrário do que foi afirmado em carta enviada aos docentes, o canal do diálogo não está aberto, pois a Reitoria não abre mão da sua proposta. Há um impasse provocado em razão dessa postura intransigente, que não aceita negociar nada. A comissão eleita pela direção da Universidade não apresenta uma contraproposta para flexibilizar a negociação, e, de forma velada e sutil, ameaça retirar mais direitos dos professores. Para piorar a situação, não há transparência nas informações. Para a Adpuc e o Sinpro Minas, as conquistas do atual Acordo fazem parte da história dos professores da PUC Minas, responsáveis por parcela significativa de tudo o que a instituição de ensino representa atualmente. “No atual cenário de crescimento desordenado de instituições privadas de ensino superior, só vão sobreviver aquelas que investirem na qualificação profissional dos docentes, e a proposta da Reitoria caminha em sentido oposto”, afirmou o professor da PUC e vice-presidente do Sinpro Minas, Bruno Burgarelli.As entidades avaliam que a Reitoria deve, sobretudo neste ano, quando se completa o cinqüentenário da Universidade, dar uma lição de amadurecimento e reconhecer o esforço dos professores, mantendo as conquistas importantes para suas condições de trabalho. Em reunião com o reitor da PUC Minas, Dom Joaquim Giovani Mol, feita a convite da diretoria da Adpuc, o Sinpro Minas ressaltou que vai usar todos os instrumentos possíveis para preservar os direitos dos docentes. “Queremos negociar, mas não vamos aceitar a retirada de direitos históricos. Iremos tomar todas as medidas cabíveis para evitar a precarização das condições de trabalho dos professores”, destacou Gilson Reis, presidente do Sinpro Minas.

Melhores condições de trabalho levam à qualidade do ensino.Sinpro Minas na luta constante pelo desenvolvimento da educação.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha