Notícias

Fórum das centrais define agenda de lutas

“A reunião teve como objetivo afinar nossas agendas para orientar nossas bases para a ameaça de votação da proposta que reforma a Previdência Social e acaba com a nosso direito à aposentadoria”, externou o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, ao final da reunião do Fórum das Centrais Sindicais, ocorrida nesta segunda-feira (15), na sede da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil).

Além da luta em defesa do direito à aposentadoria digna, o Fórum também debateu a resistência contra a onda conservadora que ataca severamente a democracia. “Os sindicalistas se somam aos movimentos sociais nesta luta. A defesa da democracia e das instituições são fundamentais para a edificação de uma sociedade avançada e inclusiva”, avaliou Fórum ao falar da importância da campanha que defende o direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser candidato em 2018.

De forma unificada, as centrais (CTB, CSB, CUT, Força Sindical e Nova Central) indicaram a elaboração de uma campanha para agitar as bases e denuncia o caráter mentiroso da campanha do governo. “E vergonhosa a forma como o governo tenta manipular a população em torno da viabilidade desta reforma”, afirmam as centrais.

Pela CTB, além do presidente Adilson Araújo, participaram da reunião o vice-presidente, Divanilton Pereira; o secretário-geral, Wagner Gomes; o secretário de Relações Internacionais, Nivaldo Santana; o secretário de Formação, Ronaldo Leite; a secretária da Juventude Trabalhadora, Luíza Bezerra.

Resistir a todo custo
“Renovamos nossa orientação para as nossas bases. Resistir a todo custo deve ser o tom das lutas em 2018. Toda a nossa base deve organizar e mobilizar os sindicatos contra a Reforma da Previdência.  Conclamamos todos setores organizados da sociedade para marchar junto com o movimento sindical contra mais esse golpe que pode acabar com nosso direito à aposentadoria. Resistir e intensificar a pressão nas ruas, nas redes e no Congresso Nacional neste início de 2018 é fundamental”, ressaltou Adilson.

Baixe a cartilha da CTB e entenda o desmonte da Previdência Social Pública

Na mesma linha, o secretário-geral da CTB, Wagner Gomes, destacou a centralidade da unidade na etapa atual da luta. “Não podemos nos deixar levar pelo discurso da do governo propalado pela mídia. A unidade das centrais será fundamental para enterrarmos mais uma vez essa reforma”.

O secretário-geral da Força Sindical, Carlos Gonçalves, o Juruna, alertou que “a proposta enviada ao Congresso Nacional não tem o objetivo de combater privilégios, como sugere a propaganda oficial. Vai retirar direitos, dificultar o acesso e achatar o valor das aposentadorias e pensões dos trabalhadores e trabalhadoras de todo o Brasil”.

“Essa reforma abre caminho para a privatização do sistema previdenciário, o que contempla interesses alheios aos do nosso povo e atende sobretudo aos interesses dos sistema financeiro”, complementou o secretário-geral da CSB, Alvaro Egea.

Orientação para as bases
O Fórum das Centrais indicou ampla agenda já nos primeiros dias de fevereiro.

No dia 01 de fevereiro as centrais se somarão grande ato público nacional contra a reforma da Previdência (PEC 287/16) e pela valorização e independência da Magistratura e do Ministério Público, que foi convocado pela Anamatra e das demais entidades que compõem a Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público. O ato em Brasília está marcado para às 14h.

Com o objetivo de reforçar a pressão junto aos parlamentares, as centrais indicaram agenda de ação a partir do dia 02 de fevereiro, data em que serão retomados os trabalhos do Congresso Nacional. As centrais vão se reunir com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Também está previsto nos primeiros dias de fevereiro reunião os líderes das duas Casas legislativas.

Reafirmando o estado de mobilização permanente, as centrais indicaram que irão construir em suas bases agendas para movimentar o país e preparar a classe trabalhadora para uma eventual votação dia 19 de fevereiro.

“Como em dezembro, seguiremos firmes com a nossa mobilização contra essa reforma. Não é apenas a defesa de um direito, trata-se também da defesa de sobrevivência de mais de 90 milhões brasileiros. A classe trabalhadora já mandou o seu recado – Se colocar para votar, o Brasil vai parar! – e como em abril de 2017 vamos trabalhar para construir a greve contra mais esse golpe”, avisou o presidente da CTB.

Portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha