Notícias

Governo quer dobrar usinas poluentes

7 de janeiro de 2009

No ano em que o mundo terá de entrar em acordo sobre a adoção de metas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, o Brasil apresenta um Plano Decenal de Energia que dobra o parque termelétrico do país e enfatiza as fontes de energia sujas, que colaboram para o aquecimento global.

O plano prevê a criação de 82 usinas termelétricas de 2008 a 2017, com potência total de 15.305 MW. Dessas, 68 serão movidas a combustíveis fósseis. Hoje, há 77 térmicas instaladas, 74 delas de fontes fósseis, que juntas têm potência de 15.444,7 MW. Com o plano, as emissões de gás carbônico das termelétricas subirão 172% – passando de 14,43 milhões de toneladas para 39,3 milhões de toneladas.

Se as emissões de todos os outros setores da economia, como transportes e indústria, permanecessem estáveis nesse período, as emissões das termelétricas passarão de 4,3% do total atual para 12% em 2017. O plano prevê ainda a criação de 71 hidrelétricas, 11 usinas a menos em relação às térmicas. Porém, o potencial hidrelétrico a ser instalado será bem maior que o do novo parque termelétrico, com 28.938,5 MW.

Na opinião de Luiz Pinguelli Rosa, diretor da Coppe-UFRJ (Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro), o governo está cometendo um “erro grande” ao priorizar as termelétricas. “Entramos na contramão da história e vamos aumentar a emissão de gases-estufa desnecessariamente.”

Dois países?

O Ministério de Minas e Energia colocou o plano que prevê a expansão da energia suja em consulta pública na internet (www.mme.gov.br) no dia 24 de dezembro. Duas semanas antes, o Brasil recebia em Poznan, Polônia, elogios internacionais por seu Plano Nacional de Mudanças Climáticas. No documento, o governo assume metas internas de redução do desmatamento e defende a ampliação das energias renováveis. No final deste ano, deve ser fechado na conferência de Copenhague, na Dinamarca, um acordo entre os países sobre as novas metas de redução das emissões a partir de 2012.

Para a senadora Marina Silva (PT), ex-ministra do Meio Ambiente e colunista da Folha, o Plano Decenal de Energia “é uma contradição”. “Se for para o Brasil ir pelo caminho mais fácil, não precisa do plano [de Mudanças Climáticas].” “Se vai reduzir emissão em função da diminuição do desmatamento você não pode aumentar as emissões por outro lado, senão você não fecha essa conta”, disse. Ela ressaltou que a energia eólica é pouco explorada no Plano Decenal, por exemplo. Hoje, os ventos representam 0,3% da geração total de energia no Brasil e, em 2017, passarão para 0,9%.

Dos 15.305 MW previstos para entrar em operação no horizonte do plano por meio das usinas térmicas, 89,4% são provenientes de combustíveis fósseis. E as usinas a óleo combustível dominarão o cenário a partir de 2010 até o final do período – serão 41 usinas novas. A maior parte das térmicas, um total de 55, deve ser instalada no Nordeste. A segunda região que mais receberá esse tipo de usinas será o Sudeste, que deve ganhar 20 delas.

Culpa

Segundo Pinguelli Rosa, a população também tem sua parcela de culpa na ampliação das térmicas, ao criticar a construção de hidrelétricas no país. “Mas o governo tem maior responsabilidade. Não pode cometer um erro desses só porque a sociedade se equivoca”, disse.

O Ministério de Minas e Energia, procurado na manhã de ontem, não respondeu à Folha até o fechamento desta edição. De acordo com a página do ministério na internet, a consulta pública sobre o Plano Decenal de Energia terminará em 30 de janeiro. Sérgia Oliveira, do Ministério do Meio Ambiente, não respondeu às questões específicas da reportagem sobre o Plano Decenal de Energia. Ela afirmou que a pasta defende a promoção da energia renovável e que o Ministério de Minas e Energia “tem sido muito aberto” para discutir a questão.(AFRA BALAZINA)

Hidrelétrica pode afetar área protegida

As usinas hidrelétricas também podem impactar o ambiente. Segundo a análise socioambiental do plano, dos 71 projetos previstos no documento, três são considerados de “impacto extremamente significativo”: Estreito, que está em construção no rio Tocantins (entre Tocantins e Maranhão); Belo Monte, no rio Xingu (Pará), e Marabá, também no rio Tocantins (Pará).

Desses 71 projetos, 11 interferem diretamente sobre unidades de conservação – áreas importantes ambientalmente como parques nacionais ou estações ecológicas, entre outras. E o plano prevê crescimento do aproveitamento do potencial hidrelétrico da bacia amazônica, onde devem ser feitos 15 empreendimentos.

Social

O impacto social das hidrelétricas também não pode ser ignorado: segundo a análise socioambiental, 89.815 mil pessoas devem ser afetadas por 54 projetos de hidrelétricas -26.274 pessoas na área urbana e 63.541 pessoas na área rural.Porém, segundo o Ministério de Minas e Energia, a implantação das hidrelétricas trará benefícios para o país, como a abertura de 171.670 postos de trabalho nas diversas regiões do Brasil, considerando somente empregos diretos criados pela construção das usinas.

Fonte: Jornal Folha de S. Paulo, 07/01/09

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha