Notícias

Índios se enfrentam em reduto evista

16 de setembro de 2008

“São uma gente horrorosa. As collas [índias] fazem cocô nas ruas e se limpam nas próprias saias. O cheiro é horrível. É um povo de não-cristãos. Não compartilham conosco os valores ocidentais e o amor ao capitalismo.”A descrição quem faz é Andrés Gómez, 22, editor, branco, morador na zona central do departamento de Santa Cruz, o mais rico e um dos mais aguerridamente anti-Evo Morales. O objeto da descrição são os moradores do Plán 3000, periferia de Santa Cruz, favelão com população majoritariamente imigrante do altiplano (La Paz, Cochabamba, Oruro, Potosí, entre outros), a voz do gueto indígena e miserável no meio da próspera Santa Cruz.Há uma semana, os quase 250 mil moradores de Plán 3000 têm sido obrigados a trocar o dia pela noite. or volta as 18h, a praça central do bairro começa a se encher de gente que sai de suas casas para passar a noite ao relento. Forma-se um formigueiro humano, espécie de rua 25 de Março enlameada. É para se defender.Desde que os departamentos da chamada meia-lua -as terras baixas na parte oriental da Bolívia cujos governos fazem oposição ao presidente- iniciaram o novo ciclo de desafios ao governo central, gangues de até mil autonomistas (o pessoal anti-Morales), assim que o sol se põe, começam a guerra psicológica: cercam o Plán 3000, soltam rojões, sobrevoam o local com aviões de pequeno porte, empunham paus, arremessam pedras.”Para nós é questão de honra vencer esses índios sujos que insistem em apoiar Morales”, afirmou à Folha Carlos Ortiz Cizendo, 15, que vive longe dali. O menino diz ter recebido 200 bolivianos, ou R$ 40, para atuar durante toda a noite de sexta-feira e madrugada de sábado como soldado da tropa de choque autonomista. “Também recebi comida e um cassetete preto”, diz, e mostra, todo orgulhoso, o instrumento.Homens, mulheres e crianças correm de um lado para o outro nas quatro entradas do bairro, tão logo espalha-se mais um boato de invasão. Ateiam fogo a pneus e lançam rojões enquanto seus meninos posicionam-se para a batalha. Essa rotina dura até por volta das 23h, quando começam os ataques de verdade e os choques entre os dois grupos. A polícia não intervém.Como o pessoal do bairro, Ortiz tem a tez escura, os olhos puxados e os cabelos lisos. É indígena, mas se diz um “camba”. “Sou católico, uso banheiro, sou limpo e ocidental.” O grupo de choque de Ortiz tem 300 jovens índio-descendentes como ele. Uma van Mitsubishi cheia de jovens universitários brancos distribui porretes, rojões e alimentos. Suprimentos para os invasores.Em Santa Cruz, existe profunda rivalidade entre os índios que se chamam de “collas” e os que se denominam “cambas”. “Collas” são os que vêm do altiplano, majoritariamente pró-Evo Morales. “Camba”, que um branco também pode ser, significa pertencer ao mundo moderno, da produção e do consumo capitalistas.

Rastro de fogo Na quarta-feira, a milícia pró-autonomia conseguiu penetrar na rotatória que dá acesso ao Plán 3000. Saqueou o mercado local. Autonomistas fugiram com nacos de carne crua, verduras, arroz e batatas e deixaram um rastro de fogo e destruição.A “Casa do Povo” -sede do MAS (Movimento ao Socialismo), partido do presidente-, no coração da favela, tornou-se foco da resistência. Lá, na sexta-feira, cozinhava-se a alimentação coletiva (canja de galinha com verduras, arroz, milho e tomate), preparavam-se coquetéis molotov, paus com pregos, fundas, estilingues e escudos de papelão e madeira. Parece uma guerra de meninos, apesar da gravidade da situação.Plán 3000 ama MoralesEle foi o primeiro presidente a visitar o local, desde que, nos anos 80, transformou-se uma antiga fazenda em alojamento para 3.000 famílias de flagelados de uma enchente do rio Piraí.Morales, que mal consegue pôr os pés no centro insurgente de Santa Cruz, já foi a Plán 3000 uma dezena de vezes, desde sua eleição, há dois anos e nove meses. Inaugurou o primeiro hospital, a primeira universidade do local, o sistema de esgoto, escola, praça, a pedra fundamental do novo mercado.Jenrry Martínez Román, 43, é uma das principais lideranças de Plán 3000. A mãe e o pai, um dirigente dos trabalhadores em minas de estanho de Potosí, ele perdeu, assassinados pelo Exército, quando ainda era criança. O avô morreu durante a guerra do Chaco (que opôs a Bolívia ao Paraguai, entre 1932 e 1935).Martínez Román grita palavras de ordem em quéchua e aymará (línguas indígenas tradicionais) em um megafone instalado no meio da praça. De todo o fraseado, só se entende um “Evo Morales”, no fim.Homens e mulheres respondem, também nessas línguas. O discurso é transmitido pela rádio Integración, 102,3 MHz, que convoca a favela e o conjunto residencial Primeiro de Maio, vizinho, para a vigília, enquanto entremeia toda a locução por jingles que são músicas de protesto. Estão todos prontos para a batalha. Fonte: Folha de São Paulo

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha