Notícias

Lotado, ato não poupa críticas ao AI-5 Digital

3 de junho de 2009

Os professores Sérgio Amadeu, da Faculdade Cásper Líbero (SP), Idelber Avelar, da Tulane University (EUA), e Túlio Vianna, da PUC Minas, participaram, nessa segunda-feira (1/6), no Teatro da Cidade, em Belo Horizonte, de ato em protesto ao projeto de lei substitutivo do senador Eduardo Azeredo (PSDB) que dispõe sobre a criminalização de práticas na internet.

 

Eles não pouparam críticas ao projeto, que tem sido chamado de AI-5 Digital, em referência ao Ato Institucional da ditadura militar no Brasil, responsável por aumentar a perseguição aos opositores ao regime. Em tramitação na Câmara dos Deputados, os professores avaliam que, caso seja aprovado, o projeto vai colocar em risco a privacidade dos internautas e criminalizar práticas rotineiras na internet, como baixar uma música ou um vídeo.

 

Gilson Reis, presidente do Sinpro Minas e um dos organizadores do ato, também demonstrou preocupação com as tentativas de limitar a circulação de informações e conhecimento pela internet. Segundo ele, o projeto do senador tucano representa um retrocesso na divulgação do saber.

 

“É uma lei descabida, mal escrita e genérica, que vai dificultar a inclusão digital e elevar o custo da comunicação no país”, destacou o professor Sérgio Amadeu, diante de uma platéia lotada, composta por jornalistas, blogueiros, estudantes e interessados no debate em torno da democratização da mídia. >> Confira abaixo o depoimento de Sérgio Amadeu à reportagem do programa de TV Extra-Classe

 

Para Idelber Avelar, que também é autor do blog Biscoito Fino e a Massa, por trás desse projeto está o lobby de grandes grupos empresariais, como os bancos e as gravadoras. “A essência desse projeto é o pânico da indústria do copyright. Hoje, qualquer artista bem informado sabe que essa indústria não está agindo em seu nome”, avaliou o professor.

 

Segundo ele, não há razão no argumento usado pelo senador de que o projeto vai combater a pedofilia, pois o país já possui uma lei para isso. “Este projeto não tem absolutamente nada contra a pornografia infantil e a pedofilia”. 

Na análise do professor Túlio Vianna, a “lógica por trás desse projeto é a criada pelos advogados da Febraban” (Federação Brasileira de Bancos), que preferem arcar com os custos de uma fraude financeira a investir em sistemas de segurança. “[Os bancos] não querem investir em tecnologia de segurança, mas sim criminalizar os usuários”.

 

>> Leia o artigo de Túlio Vianna com críticas à proposta do senador tucano

 

“O substitutivo do senador Eduardo Azeredo quer bloquear o uso de redes P2P, quer liquidar com o avanço das redes de conexão abertas (Wi-Fi) e quer exigir que todos os provedores de acesso à internet se tornem delatores de seus usuários, colocando cada um como provável criminoso. É o reino da suspeita, do medo e da quebra da neutralidade da rede. Dezenas de atividades criativas serão consideradas criminosas pelo artigo 285-B do projeto em questão”, afirma o texto da petição em defesa do progresso e do conhecimento na rede, que já conta com mais de 146 mil assinaturas.

 

Segundo a petição, “projetos como esses prestam um desserviço à sociedade e à cultura brasileiras, travam o desenvolvimento humano e colocam o país definitivamente para debaixo do tapete da história da sociedade da informação no século XXI”.>> Confira abaixo o depoimento de Idelber Avelar à reportagem do programa de TV Extra-Classe

Repressão em Minas

O diretor teatral Pedro Paulo Cava, anfitrião do ato, disse que a “casa sempre esteve aberta para o debate político”. Depois de agradecer a presença de todos, Cava teceu críticas à perseguição que sofreu do governo estadual. Após enviar para os seus contatos pessoais um email com críticas à então secretária de Cultura Eleonora Santa Rosa, a polícia o intimou para dar explicações sobre a divulgação.

 

“Repassei um email com críticas e fui parar na polícia. Mandei [depois do episódio] um email para várias pessoas no Brasil dizendo que, em Minas, além de controlarem a imprensa no geral, querem controlar a internet. Controlar uma rede é absolutamente temerário”, afirmou o diretor teatral.

 

Antes do ato, assessores do senador distribuíram na porta do teatro um panfleto, sem assinatura, com conteúdo que tentava desconstruir as críticas ao projeto de lei. O assessor José Henrique Portugal foi convidado pelo presidente do Sinpro Minas a participar do debate, mas se recusou, alegando que não teria sido convidado para o evento.

 >> Assista à entrevista com Idelber Avelar na TV Assembleia

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha