Notícias

Menos trabalhadores tiveram reajuste acima da inflação no primeiro semestre, mostra Dieese

5 de setembro de 2008

Estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese), seção Rio de Janeiro, mostra que a proporção de acordos e convenções trabalhistas com ganhos reais, acima da inflação, foi de 73% das negociações no primeiro semestre. Em 2007, no mesmo período, esse índice foi superior a 80% das negociações.

O estudo apontou também que foi maior a proporção dos trabalhadores que não conseguiram recuperar as perdas inflacionárias. Segundo o supervisor do Dieese no Rio, Paulo Jager, em 2007, esse patamar era de 3,5% e passou para 14%, entre janeiro e junho de 2008. “Cresceu de tamanho. Há uma menor proporção de acordos e convenções com resultados acima da inflação, ou seja, com ganhos reais”, relatou.

O economista do Dieese destacou, entretanto, que não significa que as negociações pioraram. Desdobrando os números por faixas mais detalhadas, chega-se à conclusão, de acordo com ele, que existe uma concentração de acordos e convenções acima da inflação. Os reajustes salariais que tiveram ganhos reais sobre a inflação, no primeiro semestre, estão na faixa da reposição até 1,5% de ganho. Alguns acordos atingiram 5% de ganho real. A referência é o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC). Em 2007, houve maior número de documentos em faixas mais elevadas.

Segundo Jager, tem havido ganho real em diversos setores da atividade econômica, “ainda que em proporção muito aquém do que deveria ser”. Conforme o também economista do Dieese/RJ, Jardel Leal, isso significa que os ganhos reais não estão sendo percebidos pelos trabalhadores como uma vantagem. Para ele, o motivo é o fato do percentual de reajuste para alcançar a inflação ser muito baixo. “Eles não chegam a sentir a melhora que isso representa”, disse.

Com base no critério de arredondamento do INPC – que leva em conta variação de 0,4% para cima ou para baixo do índice – verifica-se que 52,4% dos reajustes ficaram acima da inflação, 41,7% se igualaram e 5,8% não conseguiram recuperar as perdas.

Já levantamento do Dieese São Paulo mostrou que das 309 categorias com data-base no primeiro semestre, 86% conseguiram reajustes que asseguraram a recomposição da inflação. Os dados indicam que 4% das categorias tiveram reajustes insuficientes para recuperar o poder de compra dos salários em relação à data-base anterior.

Os setores que apresentaram maior concentração de reajustes salariais acima da inflação foram a indústria e comércio, com 81,3% e 80%, respectivamente, em relação às negociações efetuadas.

No setor de serviços, o índice foi de 64% de ganhos reais dentre as negociações. As regiões onde ocorreram os melhores reajustes foram a Sul (85,7%) e a Centro-Oeste (84,6%), seguidas do Nordeste (69,7%), Sudeste (68,3%) e Norte (62,5%).

O coordenador de Relações Sindicais do Dieese/SP, José Silvestre, disse que, desde 2004, vem ocorrendo uma melhora do poder de compra dos salários do trabalhador. “O que tem ocorrido é que, como a economia tem crescido e melhorado desde o último trimestre de 2003, isso tem permitido aos sindicatos fazer uma negociação no campo salarial de recuperação de suas perdas, nesses períodos, e também do ganho real”, explicou.

Silvestre acredita que ainda haja espaço para elevação dos salários já que, na avaliação dele, não é a remuneração do trabalhador que pressiona a inflação, que, para ele, tem influência da economia mundial e é focada em alimentos e commodities minerais.

O economista da Força Sindical, Marcos Perioto, reforçou que o os trabalhadores representados pelos sindicatos foram a maior parte dos que conquistaram as reposições. “Queira ou não os sindicatos representam os trabalhadores que têm carteira assinada”, afirmou. Já o secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Carlos Alberto Cordeiro da Silva, alegou que a produtividade dos setores é maior do que os reajustes salariais concedidos aos trabalhadores, o que derruba o argumento dos empresários que dizem que o aumento do salário pode causar inflação.

“Ao contrário. Nós queremos é incorporar parte da produtividade de todos os setores nos salários. Nós precisamos ampliar a renda dos trabalhadores no PIB [Produto Interno Bruto]”, disse .

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha