Notícias

Milhares marcharam em Brasília na luta pela redução da jornada de trabalho

11 de novembro de 2009

Durante a manhã desta quarta-feira (11), sob céu nublado e ameaça de chuva, dezenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras de todo Brasil marcharam pela Esplanada dos Ministérios durante a 6ª Marcha da Classe Trabalhadora, que neste ano teve como bandeira central a luta pela redução da jornada de 44 horas para 40 horas semanais.

Convocada pelas centrais sindicais CTB, CUT, CGTB, UGT, Nova Central e Força Sindical e várias organizações dos movimentos sociais, a marcha levantou também as reivindicações dos trabalhadores e trabalhadoras rurais,  como a reforma agrária e a atualização do índice de produtividade da terra.

A pauta unificada exigiu ainda a ratificação das convenções 151 e 158 da OIT, a aprovação da PEC do Trabalho Escravo, a definitiva aprovação do projeto que regulamenta a política de valorização do salário mínimo, a aprovação do PL 1621/07, que estabelece direitos iguais para trabalhadores direitos e terceirizados, e o projeto popular para o pré-sal.Alberto Broch, presidente da Contag (Confederação nacional dos Trabalhadores na Agricultura), destacou a importância da marcha para os trabalhadores do campo. A CTB mobilizou milhares de pessoas, cumprindo sua meta de levar a Brasília mais de 4 mil trabalhadores dos sindicatos a ela filiados, que foram em caravanas de ônibus vindas de diversas regiões do Brasil.

Para Wagner Gomes, essa mobilização é muito importante para avançar na conquista da redução da jornada, medida que irá gerar mais de 2 milhões de empregos, além de contribuir para a melhora da qualidade de vida de toda a população. “Foi muito importante essa mobilização para que o projeto que prevê a redução da jornada seja votado. Mas não podemos nos esquecer da importância em mantermos a unidade do movimento sindical. Diante disso,  a CTB reforça a necessidade de uma nova Conclat (Conferência Nacional dos Trabalhadores) para unificar a luta dos trabalhadores brasileiros”, finalizou o presidente da CTB, sob aplausos dos manifestantes.

A reivindicação de redução da jornada tem como base a pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) que aponta que no Brasil a jornada normal de trabalho é uma das maiores no mundo. Além disso, não há limite semanal, mensal ou anual para a execução de horas extras, o que também torna essa prática uma das mais altas entre os países.

A marcha se iniciou no estádio Mané Garrincha e seguiu até a Praça dos Três Poderes. Terminou por volta das 12h, com a fala de todos os presidentes da seis centrais sindicais, além de parlamentares e representantes dos movimentos sociais.Fonte: Portal CTB__________________

O Extra-Classe, programa de TV do Sinpro Minas (exibido aos domingos, na TV Band, às 8h55), abordou o tema no dia 8/11. O entrevistado foi Gilson Reis, presidente do sindicato e da CTB Minas e especialista em Economia e Trabalho pela Unicamp. Confira abaixo.  

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha