Notícias

Movimento sindical subestima importância da comunicação

11 de maio de 2009

A necessidade do movimento sindical investir na comunicação para ampliar a intervenção dos trabalhadores e trabalhadoras na sociedade, e o envolvimento ativo nos debates das pré-conferências municipais e estaduais que antecedem a I Conferência Nacional de Comunicação, foram as principais preocupações nos debates I Encontro de Comunicação da CTB, realizado nos dias 7 e 8 de maio, em São Paulo.

O Encontrou reuniu jornalistas, assessores de imprensa e diretores de comunicação de entidades sindicais da Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco e Rio de Janeiro, que apresentaram experiência inovadoras, debateram princípios, repensaram práticas de comunicação, discutiram estratégias no uso das novas tecnologias e defenderam propostas alternativas que contribuem com o propósito da Secretaria de Comunicação da CTB de elevar a qualidade e potencializar sua intervenção nos Estados. Durante o evento, João Batista Lemos, secretário adjunto de Relações Internacionais da CTB, afirmou: “É preciso ganhar as lideranças dos sindicatos e da CTB para priorizar a comunicação e destinar ao setor os recursos necessários para desenvolver a luta de idéias contra a mídia capitalista”. A observação, feita por João Batista Lemos, secretário adjunto de Relações Internacionais da CTB. Os jornalistas Altamiro Borges e Sergio Gomes realizaram palestra no último dia do Encontro.

Quarto poderAltamiro Borges analisou a concentração de poder da mídia capitalista, oligopolizada, com os jornalões, revistas semanais e redes de TV concentradas nas mãos de cinco famílias e praticando um jornalismo parcial, superficial, elitista e subordinado aos interesses da classe dominante. “É uma mídia extremamente reacionária e com grande capacidade de interferência na sociedade”, ressaltou.

O jornalista lembrou que os meios de comunicação cumprem papel central na circulação de informações, idéias e na formação de valores, mas apesar do caráter público que possuem, estão concentrados nas mãos de poucos, sem a participação democrática da sociedade.

“A mídia não se limita à divulgação de informações, mas também contempla a cultura e o entretenimento, formando um grande conglomerado. A mídia já foi chamada de quarto poder, hoje ela é o poder atrelado ao capitalismo. É o poder vinculado ao poder de Estado”, concluiu. 

I Conferência Nacional de ComunicaçãoAltamiro Borges disse que as direções sindicais precisam valorizar a comunicação, alertando para a importância dos sindicalistas se envolverem nos debates das pré–conferências municipais e estaduais que antecedem a 1ª Conferência Nacional de Comunicação, convocada para ocorrer os dias 1, 2 e 3 de dezembro de 2009.

Para ele, o movimento sindical ainda não percebeu a importância de participar ativamente das etapas regionais e estaduais, embora todos saibam que a grande mídia é um dos principais entraves para os movimentos sociais. “Os empresários já estão se preparando para o embate que vai ocorrer, principalmente em torno da concessão pública para exploração de serviços de rádio e TVs, e a legalização das rádios comunitárias. O jogo na será pesado”, avaliou.

“A Conferência Nacional de Comunicação será o espaço que os trabalhadores e os movimentos sociais terão para apresentar e defender suas propostas de diretrizes para democratizar as políticas de comunicação no Brasil”, concluiu Altamiro Borges. 

Foco no alvo O jornalista Sergio Gomes, jornalista fundador da Oboré, apresentou um relato escrito da sua experiência na formação de uma rede de rádios do movimento sindical dos trabalhadores e trabalhadoras rurais.

“Os programas foram concebidos para que a direção da Contag pudesse “costurar” sua relação com os Sindicatos e Federações de Trabalhadores Rurais. A experiência constituiu-se em um exemplo único no Brasil e na América Latina de uma comunicação sindical sistêmica, sonora, vivenciada através de uma rede de parceria e cooperação e de absoluto respeito às realidades regionais e locais”,  disse Sergio Gomes.

O jornalista afirmou que vivemos em um tempo onde as pessoas sabem o que deve ser feito, sentem o que necessário mudar, mas se sentem impotentes diante do quadro de dificuldades e obstáculos que precisam ser superados. “Para mudar as coisas, é primordial que haja foco, que se escolha o alvo e se persiga com insistência os objetivos que precisam ser alcançados”, concluiu.

Fortalecer a Comunicação da CTBApós os debates estimulados pela intervenção dos jornalistas Altamiro Borges e Sergio Gomes, o secretário de Imprensa e Comunicação, Rogério Nunes, organizou uma rede nacional de colaboradores que estará conectada na para potencializar a comunicação da CTB.

“Ao encerrar o I Encontro de Comunicação da CTB fica a certeza de que estamos avançando no debate sobre a comunicação no movimento sindical e que vamos aprimorar a comunicação da CTB. Também fica a convicção de que com a contribuição de todos os profissionais e sindicalistas nos vamos ampliar a luta classista pela democratização dos meios de comunicação no Brasil”, concluiu Rogério Nunes.

Fonte: Portal da CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha