Notícias

Movimentos sociais criticam juros altos

20 de junho de 2008

A Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) reuniu cerca de cinco mil manifestantes nessa quinta-feira (19), em frente à sede do Banco Central, em Brasília, para protestar contra a política de juros altos. Sob o mote “menos juros, mais desenvolvimento”, estudantes, trabalhadores e lideranças sindicais pediram a saída do presidente do órgão, Henrique Meirelles.

O presidente da CTB, Wagner Gomes, lembrou que as últimas três reuniões do Copom foram para aumentar os juros sob o pretexto de segurar a inflação. “Nós viemos aqui para dizer que somos contra isso, que a inflação se combate com desenvolvimento e não juros altos”, afirmou Gomes. Os manifestantes destacaram a disposição de manter a mobilização e os protestos para denunciar e chamar atenção para o problema. Para o presidente da União da Juventude Socialista (UJS), Marcelo Gavião, “o ato reuniu não só a juventude, mas trabalhadores e atores sociais, demonstrando nossa rebeldia contra a política do Banco Central. Esse ato é uma manifestação da forma como a sociedade está recebendo o aumento da taxa de juros”, enfatizou.

Segundo ele, a retomada do aumento da taxa de juros representa um grande retrocesso. “Havia uma redução da taxa de juros, apesar de lenta, e no último período eles retomaram a alta da taxa de juros. É um retrocesso, porque o Brasil vem crescendo e essa política aponta para a diminuição do crescimento”. O presidente nacional da CUT, Artur Henrique, também criticou a política de juros altos e pediu mais investimentos nas áreas de saúde, educação e segurança. ”Os gastos públicos com saúde, educação e segurança precisam aumentar, e não diminuir”, disse.

Ele também acusou o empresariado pelas pressões inflacionárias. “Contando com perspectiva de inflação, empresários aproveitam para aumentar preços ao consumidor e, assim, ameaçam a estabilidade econômica, pensando apenas nos seus próprios umbigos e nos lucros. Enquanto isso, ficam, de maneira hipócrita e dissimulada, defendendo cortes nos investimentos públicos”, atacou Artur.

Segundo a nota divulgada pela CMS, o caminho do desenvolvimento é outro. “Passa pelo fortalecimento do papel indutor do Estado, pela garantia de contrapartidas sociais para os investimentos com recursos públicos, pela indução do crescimento com geração de emprego e distribuição de renda”. Participaram da manifestação a CTB, CUT, UNE, UJS, Conam, UBM e Unegro, entre outras centrais sindicais e entidades do movimento social.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha