Notícias

Negros vão menos à escola e têm salários menores que brancos, mostra Ipea

9 de setembro de 2008

O número de homens e mulheres negras nas escolas cresceu entre 1996 e 2006, segundo pesquisa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgada nesta terça-feira. Mesmo assim, a diferença de entre brancos e negros continua alarmante.

Segundo o instituto, no ensino fundamental a taxa de brancos e negros matriculados é quase a mesma (95,7% e 94,2%, respectivamente), mas conforme o nível sobe, crescem as desigualdades.

No ensino médio, enquanto mais da metade dos brancos está na escola (58,4%), apenas 37,4% dos negros têm a acesso ao estudo. “Os negros e negras estão menos presentes nas escolas, apresentam médias de anos de estudo inferiores e taxas de analfabetismo bastante superiores”, resume a pesquisa.

O abismo racial, no entanto, já foi bem maior. Em 1996, 82,3% dos negros estava matriculado no ensino fundamental, enquanto 90,6% dos brancos estava na escola. Entre os negros na idade para cursar o ensino médio, o percentual era de 13,4%, menos da metade do percentual de brancos no segundo grau (33,8%).

Gênero A pesquisa –baseada nos dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio)– mostra também que maior escolaridade não é suficiente para que as mulheres tenham maior renda que os homens ou cheguem mais a cargos de chefia.

Nos dois graus (ensino fundamental e médio) e tanto entre brancos como entre negros, as mulheres estudam mais. No ensino médio, por exemplo, o número de mulheres em 2006 (52%) era dez pontos percentuais maior que o de homens (42%).

“Cabe ressaltar que a vantagem vivenciada pelas mulheres no campo educacional não se traduz em maior ocupação no mercado de trabalho, em postos de trabalhos mais qualificados e em maiores salários”, diz o estudo.

Em relação à renda, a dos homens brancos foi a única que caiu entre 1996 e 2006 (de R$ 1.264 para R$ 1.181), mas continua muito maior que a dos outros grupos. No ano retrasado, mulheres brancas ganhavam R$ 742; homens negros, R$ 583 e mulheres negras, em média, ganhavam R$ 383.

Fonte: Folha Online

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha