Notícias

Nota da Federação Sindical Mundial

5 de maio de 2010

Viva o 1° de maio de 2010! Os trabalhadores não pagarão a crise!Trabalhadores, mulheres e homens:O período em que vivemos é um período de imperialismo agressivo, novas políticas neoliberais anti-trabalho e a crise económica internacional do sistema capitalista. Esta crise manifesta-se em todos os sectores: economia, meio ambiente, qualidade de vida, a cultura e as mudanças climáticas. A crise está no DNA do capitalismo e, portanto, vai aparecer novamente e sempre. É impossível para o capitalismo resolver os problemas dos povos do mundo.Basta ver o que acontece na África: um continente rico em recursos naturais, mas os habitantes mais pobres. A esperança de vida ao nascer em Zâmbia é de 38,6 anos. Na Nigéria, o país mais rico em petróleo em toda a África, três quartos da população são sem-abrigo. Segundo o relatório da UNICEF de 2010, 42% da população na Nigéria não tem acesso à água potável e a diarreia é a segunda principal causa de morte infantil, originando 17% das mortes em crianças menores de cinco anos. Na Somália, os imperialistas exacerbam conflitos. No Sudão, os E.U. e seus aliados estão tentando desmembrar o país e, no Sara Ocidental, o problema continua. O salário mínimo mensal na África do Sul é de 104 € para os trabalhadores agrícolas, enquanto que no Botswana é de 43 € para os trabalhadores urbanos. O salário mínimo varia de acordo com a ocupação na Costa do Marfim, com o mais baixo de 56 € por mês para o sector industrial.Na Ásia, o retrato em geral não é melhor: no Iraque, Afeganistão e Paquistão, os E.U. e os imperialistas europeus continuam a sua ocupação e as operações militares. Ameaçam o Irão e as repúblicas da Ásia da antiga União Soviética. Em Bangladesh, o salário base é de US $ 26 por mês, no Sri Lanka US $ 59 e no Paquistão é de US $ 71.No Médio Oriente, o tormento dos palestinos heróicos, libaneses e sírios, continua. Israel, com o apoio essencial dos E.U., a União Europeia e os seus aliados, continua a ocupar ilegalmente o Golan sírio, Gaza permanece isolada, morre-se no Líbano, tudo isto ameaçando a estabilidade e a paz no Mediterrâneo Oriental.Nos E.U.A., a situação também é complicada. O desemprego e a pobreza estão em aumentar, atingindo a taxa de desemprego os 9,7%.Na América Latina sente-se a agressão da América do Norte. Calúnias e ataques ocorrem contra a heróica Revolução Cubana, os ataques à Venezuela, à Bolívia e ao Equador, a ocupação do Haiti e o apoio à ditadura nas Honduras. Na Colômbia, nos últimos cinco anos, mais de 210 sindicalistas foram assassinados e o país está se transformando em uma base militar dos E.U.A..Na Europa, o capitalismo cria e multiplica os problemas. Os trabalhadores desempregados nos países da União Europeia são hoje milhões. Privatizações, os ataques à segurança social, a redução dos salários e das pensões são uma estratégia comum para todos os governos europeus, tanto os neoliberais como os social-democratas. O Tratado de Lisboa mostra a atitude reaccionária e o verdadeiro papel da União Europeia. Em Fevereiro deste ano, 23 milhões de trabalhadores da UE estavam desempregados, como resultado da política de encerramentos e maior sobre-exploração. As maiores taxas de desemprego oficial entre os Estados-Membros são as da Letónia, com 21,7%, e da Espanha, com 19%.Importantes LutasÀ política do capital e do imperialismo mundial a classe trabalhadora respondeu com iniciativas e lutas em todo o mundo. Assim, tem traçado novos caminhos na luta de classes, através de iniciativas como as manifestações das crianças no Paquistão contra a exploração infantil, a luta dos professores e electricistas, no México, dos pescadores e mineradores de carvão no Chile, dos trabalhadores metalúrgicos, no Peru, dos trabalhadores da construção, em França, dos trabalhadores imigrantes, nos E.U.A., dos trabalhadores dos transportes aéreos em terra e da indústria automóvel em muitos países, dos trabalhadores da indústria petrolífera, na Nigéria, dos trabalhadores da administração pública em Portugal, no Brasil e no Bangladesh, com greves dinâmicas na Grécia, em Portugal e na Turquia.Com milhões de grevistas, a participação de jovens, mulheres e de trabalhadores imigrantes trouxeram uma nova esperança e uma nova dinâmica. A FSM tem estado sempre na vanguarda! Na frente da batalha. E assim continuará, com a perspectiva da unidade e luta da classe. Contra a política dos monopólios e das multinacionais que criam pobreza para muitos e benefícios grandes para poucos.Fonte: FSM

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha