Notícias

Contexto atual exige maior mobilização da categoria

Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Após tanto tempo em isolamento, é com muita satisfação que abrimos as portas do Sinpro Minas para te receber. Conscientes de que a pandemia ainda não acabou, mas observando com otimismo a diminuição dos números de contágio e vítimas da Covid-19.

Nos últimos tempos, nossa categoria tem passado por uma jornada de muitos desafios e transformações. É preciso, sempre, parabenizar a cada um/a de vocês por tamanho esforço: um momento histórico, em que o trabalho docente teve que ser visto e lembrado por toda a sociedade. Mas também precisamos ressaltar que sem valorização docente não há educação de qualidade.

Desde o início da pandemia, o Sinpro Minas tem escutado diversos relatos da categoria. A partir de tantas inquietações, vimos o quanto essa realidade também criou um novo modelo de trabalho, que, inclusive, tem gerado muitos desgastes aos/às trabalhadores/as da educação. Por isso, nós, do Sinpro Minas, estamos atentas/as a essa nova configuração de ensino, para que nenhum direito seja ameaçado e para que novos direitos sejam conquistados.

Rumo a mais uma caminhada de conquistas, te convidamos para construirmos juntas e juntos nossa Campanha Reivindicatória de 2022!

Confiram abaixo os principais pontos da nossa pauta de reivindicações:

A manutenção de todas as conquistas de Convenções Coletivas de Trabalho (CCT’s) anteriores e, também:

Garantia da homologação no sindicato como era anteriormente. Entendemos que o sindicato precisa assistir o/a professor/ quando da rescisão do contrato de trabalho. Seus direitos precisam ser conferidos e cobrados;

Regularização do ensino remoto emergencial bem como o ensino híbrido. A nova realidade trouxe novos formatos de sala de aula como as aulas assíncronas e híbridas;

Melhoria do percentual do adicional extraclasse, readequando-o à realidade, pois todos/as nós trabalhamos muito mais do que é pago pela atividade realizada fora da escola;

Durante a pandemia, a categoria entendeu o momento e abriu mão de recomposição salarial em 2020 e aceitou um percentual menor em 2021. Em 2022, precisamos recuperar minimamente nosso poder de compra e ter reconhecido todo nosso empenho e dedicação para que as escolas se mantivessem ativas durante a pandemia.

Queremos recomposição salarial acrescida de um reajuste a título de valorização docente. Afinal, tudo está bem mais caro e o salário continua o mesmo.

Entre outros direitos, ainda queremos garantir que:

Fique assegurada ao/à professor/a a Liberdade de Cátedra – livre manifestação do pensamento e das ideias dentro da sala de aula, sem qualquer interferência no conteúdo da disciplina ministrada;

Seja proibida a dispensa coletiva na escola e também contratação precária por meio de empresas terceirizadas;

Seja ampliado o tempo da licença maternidade para 180 dias cumprindo, assim, a Lei 12.873;

Seja normatizado o trabalho virtual e em redes sociais e, sendo realizado fora do horário da aula, que seja pago como trabalho extra;

Haja maior proteção ao professor, à professora, com relação à sua saúde física e mental, bem como na prevenção de doenças ocupacionais (decorrentes do trabalho);

Consigamos a regulamentação do direito de imagem do professor, da professora;

O/a empregador/a forneça todo o material de trabalho, tanto para o presencial como remoto.

Professor, professora, fique atento/a aos nossos meios de comunicação: sua participação em cada passo dessa jornada é essencial! 

Juntos/as somos mais fortes!

Comentários (0)

Deixe um comentário