Notícias

País tem "pibinho" no primeiro ano de Bolsonaro; é o menor avanço em três anos

Crescimento de 1,1% ficou abaixo do ano anterior e reflete cenário de incerteza e estagnação. Agropecuária e serviços subiram mais que a indústria. Exportações caíram, importações cresceram.
Por Rede Brasil Atual

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,1% em 2019, abaixo dos dois anos anteriores (1,3%), informou o IBGE na manhã desta quarta-feira (4). A agropecuária e o setor de serviços tiveram alta de 1,3%, enquanto a indústria avançou apenas 0,5%. Com PIB de R$ 7,257 trilhões, o valor per capita subiu só 0,3% em termos reais, calculado em R$ 34.533. Segundo a coordenadora de Contas Nacionais do instituto, Rebeca Palis, o PIB está no mesmo patamar do terceiro trimestre de 2013.

O resultado já era esperado, depois de um último trimestre decepcionante, e reflete um cenário de incerteza e de sucessivos anúncios frustrados de “retomada” da economia. A produção industrial seguiu patinando, por exemplo, e o mercado de trabalho não viu crescer a taxa de desemprego nos últimos meses, mas o emprego que se cria é, basicamente, informal. Os resultados mostram esse quadro de estagnação: a variação acumulada em quatro trimestres, em comparação com os quatro anteriores, mantêm sucessiva variação em torno de 1%.

O comércio teve crescimento em 2019, mas em ritmo menor. E no setor externo os resultados também não foram bons. E as previsões para este ano não são animadoras: analistas já começam a revisar suas projeções para baixo, e vários acreditam que o PIB de 2020 não chegará a 2%.

Ainda em relação ao comércio exterior, na divulgação de hoje o IBGE informou que as exportações caíram 2,5% no ano passado. Já as importações cresceram 1,1%.

Consumo

O consumo das famílias subiu 1,8%, enquanto o do governo caiu 0,4%. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), um indicador de investimento, teve resultado positivo (2,2%), o segundo seguido. A taxa de investimento avançou ligeiramente (de 15,2% para 15,4% do PIB) e a taxa de poupança recuou (de 12,4% para 12,2%). A taxa de investimento já chegou a alcançar 20,9% em 2013.

Na indústria, o IBGE destaca o desempenho do setor de eletricidade, gás, água e esgoto, com alta de 1,9%. Do lado negativo, o setor extrativo caiu 1,1%. A construção teve o primeiro crescimento (1,6%) após cinco anos, enquanto a indústria de transformação ficou estável (0,1%). Derivados de petróleo e alimentos têm desempenho melhor, enquanto metalurgia, celulose e papel e a área farmacêutica mostram desempenho negativo.

Entre os serviços, tiveram variação positiva áreas como informação e comunicação (4,1%), atividades imobiliárias (2,3%), comércio (1,8%), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,0%) e transporte, armazenagem e correio (0,2%). Na agricultura, houve crescimento de itens como milho (23,6%), algodão (39,8%) e laranja (5,6%).

Apenas no quarto trimestre, o PIB cresceu 0,5% em comparação com o imediatamente anterior. A indústria variou 0,2% e os serviços cresceram 0,6%, enquanto a agropecuária recuou 0,4%. Em relação a igual período de 2018, a alta foi de 1,7%.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha