Notícias

Países de língua portuguesa aprovam a reforma ortográfica

10 de setembro de 2007

A reforma ortográfica mal começou e a grande dúvida refere-se à adaptação da sociedade às novas regras, já que, além de eliminar o confuso trema (aqueles dois pontos em cima da letra “u” usados, por exemplo, em lingüiça e freqüente), acabará com os acentos de vôo, lêem, heróico e muitos outros. A nova ortografia também altera as regras do hífen e incorpora ao alfabeto as letras K, W e Y. As mudanças foram discutidas pelos oito países que usam o idioma – Brasil, São Tomé e Príncipe, Portugal, Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, Timor Leste e Cabo Verde.

Tecnicamente, a nova ortografia já poderia estar em vigor desde o início deste ano, pois a Comissão de Países da Língua Portuguesa definiu que, se três países ratificassem o acordo, ele já poderia ser colocado em prática. A primeira ratificação veio do Brasil, em 2004, seguido por Cabo Verde, em fevereiro de 2006, e São Tomé e Príncipe, em dezembro do mesmo ano.

Para Darla Sousa Pinto, formada em Letras pela Universidade de Brasília, uma ortografia unificada facilita o intercâmbio entre os povos lusófonos, mas por si só não os aproxima. O custo da produção e tradução de livros cai, mas não os da reimpressão, pois o acordo prevê que todos os livros didáticos e literários sejam reimpressos. Sem contar a necessidade da reformulação de gramáticas, dicionários, manuais e afins.

 “O que me preocupa são os analfabetos funcionais – os que aprenderam a ler e escrever, mas não dominam o suficiente as ferramentas da língua”, afirma. Em um país como o nosso, explica Darla, “onde os índices de analfabetismo são altíssimos, eles não terão a quem recorrer e saberão das novidades, por exemplo, apenas ao serem reprovados em alguma seleção pública que, sabiamente, utilizará das mudanças para dificultar a aprovação dos candidatos”, afirmou.

A estimativa é que seja necessário um período de até dois anos para que a sociedade se acostume com as novas regras. De acordo com o Ministério da Educação, até ocorrer essa adaptação serão usados os dois tipos de livros didáticos, com as antigas e as novas regras.

Para a professora de português Lívia Guimarães, as mudanças serão tão mínimas que não vale a pena tamanho investimento. Seria mais importante investir em livros para as escolas, em capacitação dos professores, principalmente os das escolas infantis. Segundo Lívia, pode-se tomar por base a reforma ortográfica alemã. “A reforma alemã foi aprovada em 1996, com estimativa de adaptação até 2000, mas até hoje encontram-se livros e textos escritos sob a ortografia antiga”.

Outro questionamento seria quanto às obras literárias. Como ficarão com a mudança? De acordo com a lingüista Regina Mota, não serão significativas as modificações. Em 1971, depois da primeira reforma ortográfica, muitas pessoas ficaram contra e outras a favor, mas ninguém jogou os livros fora por isso.

Ao contrário de Lívia e Regina, os estudantes de Jornalismo Roberto César e Wallysson Rangel, de 23 e 21 anos, respectivamente, acreditam que a reforma vem com uma boa intenção, já que visa uma unificação da língua portuguesa.

 

Confira algumas da principais mudanças:

· Hífen:Não se usará mais: · Quando o segundo elemento começa com s ou r, devendo essas consoantes serem duplicadas, como em antirreligioso, antissemita, contrarregra e infrassom. Exceção: será mantido o hífen quando os prefixos terminarem com r – hiper, inter e super.· Quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa com uma vogal diferente. Exemplos: extraescolar, aeroespacial e autoestrada.

· Acento diferencialNão se usará mais para diferenciar:· pára (flexão do verbo parar) de para (preposição).· pêlo (substantivo) de pelo (combinação  da preposição com o artigo).· Acento circunflexoNão se usará mais:· Nas terceiras pessoas do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados. A grafia correta será creem, deem, leem e veem.· Em palavras terminadas em hiato “oo”, como enjôo e vôo – que se tornam enjoo e voo.

·Acento agudoNão se usará mais:· Nos ditongos abertos “ei” e “oi” de palavras paroxítonas, como assembléia, idéia, heróica e jibóia. Com informações do MEC

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha