Notícias

Pela paz na sala de aula

29 de abril de 2009

A violência protagonizada pelos jovens nas escolas é uma realidade inegável, embora não seja uma questão exclusivamente brasileira, mas que preocupa, sim, indistintamente, países ricos e pobres. No entanto, quem imaginava que o problema, por aqui, se restringisse aos colégios públicos e localizados na periferia, certamente ficará surpreso com os resultados de pesquisa inédita divulgada ontem pelo Sindicato dos Professores (Sinpro-MG).O levantamento mostra que aquela relação direta entre aluno e professor, que deveria ser um dos pilares da educação, transformou-se na principal causa de desgaste entre os docentes de escolas particulares de Minas Gerais. A queixa sobre a violência crescente foi apontada por 40,25% dos 2.484 profissionais entrevistados, que também reclamaram de cansaço físico e mental (92,84%) e denunciaram terem sido ameaçados ou agredidos por alunos, pelo menos uma vez (41%). Ora, o quadro apresentado no estudo é preocupante, com reflexos negativos não somente na saúde dos professores, mas, é claro, na própria qualidade do ensino. Os dados foram obtidos com profissionais de todo o Estado, do Ensino Infantil ao Superior.Este é o momento, então, de os resultados da pesquisa serem cuidadosamente examinados, pois abrem caminho para a busca de melhores condições de trabalho junto às escolas, mas, sobretudo, pela paz entre alunos e mestres, tão necessária ao aprendizado pleno que se deseja, seja no ensino público ou no particular.Inadmissível, portanto, é adiar providências enquanto se buscam as causas da violência escolar. Na verdade, até hoje este problema não é tratado como prioritário dentro das políticas educacionais do país e, infelizmente, não há diretrizes para um combate efetivo à questão. O reforço de policiamento no entorno dos colégios, aliado à efetiva integração família/escola, pode ser o lenitivo para uma gestão deveras democrática, que ofereça aos alunos oportunidades de expressarem seus talentos e não a sua crueldade. A implementação de projetos de atividades culturais e esportivas para os alunos é outra ação a ser tentada. Não se trata de transformar escolas em fortalezas, mas é preciso impor limites, especialmente quando se sabe que a violência não é algo que surge e termina dentro da sala de aula, mas que cercam o jovem diariamente.EDITORIAL – Jornal Hoje em Dia – 29/4/09 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha