Notícias

Presidente da CTB Minas aborda a atuação dos trabalhadores neste 1º de maio

30 de abril de 2009

Confira a entrevista com o presidente do Sinpro Minas e da CTB Minas, Gilson Reis, sobre os efeitos da crise econômica e os desafios dos trabalhadores de Minas e do Brasil neste 1º de maio. “Para a CTB, a saída da crise atual somente terá êxito se os trabalhadores forem capazes de colocar no centro do debate a construção de outro sistema econômico e social que supere a barbárie capitalista”.

CTB – Neste momento de grandes atritos entre o capital e o trabalho, qual a importância do 1º de maio?Gilson Reis – O primeiro de maio é uma data histórica para os trabalhadores e trabalhadoras. Nesse dia, em grande parte do mundo, o movimento sindical e os trabalhadores relembram o massacre de Chicago, quando operários que lutavam pela redução da jornada de trabalho foram presos e condenados à forca. Por isso, em todo primeiro de maio comemoramos a luta dos trabalhadores e denunciamos a exploração do sistema capitalista, que mantém um bilhão de trabalhadores desempregados e milhões precarizados e com péssimos salários. Nesse momento de crise do sistema capitalista, o primeiro de maio ganha muito mais importância, devido à crescente demissão de milhões de trabalhadores em todo o planeta.

CTB – Em Minas, o movimento sindical está unido? Quais as expectativas para o 1º de maio?Gilson Reis – Desde novembro do ano passado, o movimento sindical e o movimento popular vêm debatendo a crise e avançando na construção e organização unitária do processo de luta. Em Minas Gerais, a comemoração do primeiro de maio será unificada, ou seja, estarão presentes todas as centrais sindicais e todo o movimento popular mineiro. A única exceção será a Força Sindical. A manifestação ocorrerá na Praça da Rodoviária, no centro de Belo Horizonte, com apresentações culturais, ato político e caminhada pelo centro da cidade. A unidade em Minas Gerais é um exemplo para o restante do país. Consideramos que, diante da crise atual do sistema capitalista, a única saída para os trabalhadores será a unidade e a luta para não permitir que os trabalhadores paguem ainda mais pelas mazelas de um sistema falido.CTB – Até o momento, quais os efeitos da crise na economia, principalmente na vida do trabalhador mineiro?Gilson Reis – A crise sistêmica e estrutural do capitalismo provoca em todo o mundo demissões, precarização do trabalho e mais miséria. Na nossa avaliação, a crise terá uma longa duração e os efeitos em médio prazo serão ainda mais devastadores. Os problemas estruturais da crise, como superprodução, desregulamentação financeira e concentração de riqueza não foram enfrentadas e muito provavelmente não serão no próximo período. No Brasil e, principalmente, em Minas Gerais, o desemprego é, neste período, o efeito mais nefasto da crise. O problema se agrava ainda mais porque, enquanto o governo do presidente Lula busca algumas medidas, ainda que tímidas, para superar a crise, o governador de Minas, Aécio Neves, é um mero espectador. Não há nenhuma medida de impacto desenvolvida pelo Palácio da Liberdade para enfrentar a crise. O maior problema é que, de todos os Estados do país, Minas foi o que mais sentiu os efeitos da crise; no momento, milhares de trabalhadores estão sendo demitidos.

CTB – Para a CTB, qual é a saída para a crise?Gilson Reis – A crise tem três dimensões: o modo de produção e acumulação capitalista, que de um lado concentra riqueza não mãos de poucos e do outro desemprega e precariza o trabalho de milhões de trabalhadores em todo o mundo; a derrocada do neoliberalismo, que concentrou todos os meios de produção no mercado e destruiu a capacidade do Estado de intervir na regulamentação e planejamento da economia; e por fim, a latente crise das principais economias capitalistas em todo o mundo, com destaque para a dos Estados Unidos da América. Para a CTB, a saída da crise atual somente terá êxito se os trabalhadores forem capazes de colocar no centro do debate a construção de outro sistema econômico e social que supere a barbárie capitalista. Não temos dúvidas de que esse sistema é o socialismo, que deverá ser amplamente discutido pelos trabalhadores, a partir das experiências vivenciadas no último período. Um socialismo com a cultura, com a história e as tradições do nosso povo, tendo como centro os trabalhadores.

CTB – Qual a plataforma de reivindicações do movimento sindical mineiro?Gilson Reis – Entregamos recentemente ao governo mineiro, na pessoa do vice-governador Antonio Anastásia, uma pauta, com doze pontos que deveria ser analisada pelo governo e debatida com os trabalhadores. Entre os pontos formulados, destaco: a redução do repasse do pagamento da dívida pública mineira para união e a utilização desses recursos para investimentos e geração de emprego; a realização de uma reforma agrária nas terras devolutas do Estado e um programa de ajuda à agricultura familiar uma espécie de Pronaf mineiro; o aumento do salário mínimo pago aos trabalhadores em Minas Gerais, como já acontece em vários Estados, e a abertura de concursos públicos para fortalecer as políticas públicas, fundamentalmente na saúde, educação e segurança; e a suspensão, para os trabalhadores desempregados, do pagamento de luz e água, como forma de manter minimamente a dignidade dos desempregados. Nenhuma das nossas propostas foi avaliada pelo governador Aécio Neves, que só confirma, com essa atitude, o que dissemos acima: o ocupante do Palácio da Liberdade não tem compromisso com os trabalhadores e com o povo mineiro. Diante da crise atual, a única investida do governador é fazer campanha e disputa pré-eleitoral no interior do PSDB, na tentativa, já frustrada, de uma candidatura à Presidência da República. Nesse aspecto, o movimento sindical mineiro e os trabalhadores consideram uma vitória do povo brasileiro, pois não queremos para o Brasil o sofrimento que vivemos em Minas Gerais sob o governo de Aécio Neves.Clique aqui e acesse o jornal da CTB Minas – 1º de maio (Arquivo pdf)

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha