Notícias

Professores da PUC exigem respeito

31 de março de 2008

Reitoria da Universidade propõe acordo que retira direitos dos docentes e prejudica a qualidade do ensino

Com cerca de 60 mil alunos, a PUC Minas é a décima maior universidade do país

Carta aberta à comunidade acadêmicaNão à retirada de direitos!

Há cerca de seis meses, os professores da PUC Minas têm sido pressionados, sob várias formas, a aceitar uma proposta de Acordo Coletivo de Trabalho feita pela Reitoria. Ocorre que, como é de conhecimento de todos, a ampla maioria dos docentes manifestou-se contrariamente a essa proposta, por entendê-la como um instrumento extremamente lesivo aos seus interesses.Conforme já externado em assembléias, a intenção da Reitoria vai contra os anseios dos professores, configurando-se numa clara tentativa de adequar a instituição de ensino aos interesses do mercado. O curioso é que, na edição de agosto do ano passado do jornal institucional da PUC Minas, o atual reitor desta instituição de ensino, Dom Joaquim Giovani Mol, declarou que o compromisso da Universidade com a qualidade do ensino, a pesquisa e a extensão seria preservado.  Investir na desvalorização dos professores e na precarização de suas condições de trabalho é colocar-se contra o desenvolvimento de uma educação de qualidade, voltada para uma formação mais completa dos estudantes, com um viés humanista e que dê conta da complexidade do mundo contemporâneo.É importante ressaltar que, em todo esse processo, e ao contrário do que se comentou, a Associação de Docentes da Universidade (Adpuc), instituição fundamental na composição da democracia interna e instrumento essencial de representação, reivindicação e defesa dos professores, manteve firme o seu papel de buscar soluções, pela via do diálogo, sempre com o compromisso de defender os interesses dos docentes.Da mesma forma, e com o mesmo entendimento da situação, o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas) – entidade sindical no estado que possui, legalmente, legitimidade para firmar Acordos e Convenções Coletivas de Trabalho, conforme estabelece a Constituição Federal – acredita que negociação é uma relação de trocas, e não apenas de perdas, como quer a Reitoria.  A Adpuc, os professores e o Sinpro Minas temem que esta Universidade, reconhecida nacionalmente pelos serviços prestados à sociedade, siga o mesmo caminho de outras instituições de ensino superior que não zelaram pelas condições de trabalho do corpo docente e, como um dos processos decorrentes disso, assistiram à queda significativa na qualidade da educação ofertada, com conseqüências danosas na qualificação profissional dos estudantes. Em razão disso, o Sinpro Minas e a Adpuc não vão economizar esforços para alertar a comunidade acadêmica de tal situação.  Dessa forma, por partilhar da opinião de que a educação e as condições de trabalho dos professores não podem ser tratadas sob o viés do mercado, o Sinpro Minas e a Adpuc expressam, por meio desta carta à comunidade acadêmica, o repúdio à atual proposta de Acordo Coletivo de Trabalho feita pela Reitoria. As entidades reafirmam também a disposição em manter o diálogo, para, conjuntamente, chegar a um acordo que contemple as reivindicações dos docentes. Cientes de que a décima maior Universidade do país e a mais sólida do estado tem plenas condições de atender aos anseios dos professores, a Adpuc e o Sinpro Minas também desejam que a Reitoria empenhe-se na busca de um acordo que valorize as condições de trabalho do corpo docente e, portanto, a educação de qualidade e a manutenção de um ambiente acadêmico saudável, voltado para a formação de consciências críticas e a promoção do saber.

Associação dos Docentes da PUC Minas – Adpuc

Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais – Sinpro Minas

“A PUC Minas é a décima maior universidade brasileira e a mais sólida de Minas Gerais, com cerca de 60 mil alunos de graduação e pós-graduação. Por isso, não há razões de ordem econô­mica para não atender às reivindicações dos professores. As relações de trabalho dos docentes não podem ser regidas sob a lógica do mercado. Agir dessa maneira é investir contra a educação de qualidade, e isso o Sinpro Minas não vai permitir. Desejamos, inclusive, que toda a comunidade acadêmica participe desse debate, que diz respeito aos rumos que a PUC Minas quer adotar”.  Gilson Reis – presidente do Sinpro Minas

“Na contramão daqui­lo que se considera ideal, a PUC Minas quer retirar conquistas que ajudaram a qualificar seu quadro docente e elevar o nome da instituição. O caminho a ser percorrido é justa­mente o oposto: deve-se confirmar as conquistas do passado e melhorar ainda mais alguns instrumentos, justamente para se ter o diferencial de uma instituição, que são professores cada vez mais motivados e qualificados para a arte do ensinar. A articulação entre a Adpuc e o Sinpro Minas vai exatamente no sentido de confirmar as conquistas do passado e avançar cada vez mais. Mas não há conquistas sem luta. Por isso, as duas entidades precisam cada vez mais contar com a mobilização do corpo docente para, juntos, impedirmos a precarização das condições de trabalho e, conseqüentemente, uma queda na qualidade do ensino”. Bruno Burgarelli – diretor do Sinpro Minas e professor da PUC Minas“As negociações com a comissão da Reitoria são frustrantes. Não há transparência nas informações. A Adpuc já solicitou, por diversas vezes, dados relativos às reais condições financeiras da instituição de ensino, mas nunca obteve retorno. Para alunos e professores com quem converso, fica claro que a PUC Minas, por ser uma das maiores instituições privadas do país, tem condições de atender as reivindicações. Para mim, que participei de todas as reuniões de negociação, fica a sensação de que a discussão acerca das condições de trabalho dos professores está condicionada a uma análise de planilhas de custo”. Paulo César Reis Cardoso de Mello – Presidente da Adpuc

>> CLIQUE AQUI E ACESSE O INTERVALO PUCMINAS (pdf)

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha