Notícias

Professores da rede privada vão parar na segunda-feira (5/4)

29 de março de 2010

Atualizado em 1/04

Em assembleia com paralisação das atividades, realizada na última sexta-feira (26/3), na Associação Médica de Minas Gerais, cerca de mil professores da rede privada de ensino de Belo Horizonte e região decidiram, por unanimidade, recusar a contraproposta patronal – que retira direitos históricos – e decretaram estado de greve, com a manutenção da mobilização e a organização do movimento. Também por unanimidade, os docentes decidiram paralisar as atividades a partir da próxima segunda-feira (5/4) – nos três turnos –, quando será realizada nova assembleia, às 8 horas, no auditório da Faculdade de Medicina da UFMG (av. Alfredo Balena, 190 – Centro – BH). No mesmo dia, às 17 horas, a categoria fará manifestação na porta do sindicato patronal – Sinep/MG (Rua Araguari, 644 – Barro Preto – BH). A decisão dessa sexta é válida para os professores que lecionam em municípios da área de abrangência do Sinep/MG, entre eles Belo Horizonte e região metropolitana (Confira a lista das cidades). CLIQUE E LEIA A NOTA DESRESPEITO: DONOS DE ESCOLAS FAZEM AMEAÇAS E PATRONAL DESMARCA REUNIÃO

CLIQUE E LEIA O COMUNICADO EM RESPOSTA AO SINDICATO PATRONAL

“Essa assembleia com paralisação foi uma demonstração inequívoca de que estamos unidos e mobilizados e de que não aceitaremos a retirada de direitos. Educação de qualidade se constrói com valorização dos professores, e isso nós não abriremos mão”, ressaltou o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis.Ele destacou ainda que “a força que temos está no coletivo” e reafirmou que o momento é favorável, pois a economia vem crescendo, as escolas reajustaram as mensalidades acima da inflação e, de acordo com pesquisa do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 79% das categorias com data-base no último período tiveram aumento real.>> CLIQUE AQUI E ENVIE ESTA NOTÍCIA PARA UM COLEGA. VAMOS MOBILIZAR A CATEGORIA! Paralisação atinge várias escolasA paralisação dessa sexta-feira atingiu as principais escolas da capital e região, como os colégios Batista, Loyola, Frei Orlando, Dom Silvério, Instituto Sagrada Família, Sagrado Coração de Maria, Santo Antônio, Santa Dorotéia, entre outras instituições de ensino, entre elas o Uni-BH e a Newton Paiva. Outras escolas pararam parcialmente. A mobilização também ganhou grande repercussão na imprensa, na sociedade em geral e entre pais e estudantes, que tomaram conhecimento da precarização das condições de trabalho nas escolas privadas, realidade que prejudica a qualidade do ensino.

Confira as reportagens feitas pelas TVs Alterosa e Globo, veiculadas na sexta-feira (26/3)

“Apoiamos de forma incondicional a decisão dos professores da rede privada de ensino. Entendemos que a qualidade da educação passa, necessariamente, pela valorização dos profissionais que nela trabalham, e essa não tem sido a tônica dos donos de escolas”, diz o texto da carta de apoio dos estudantes, assinada pela União Nacional dos Estudantes e pela União Estadual dos Estudantes (leia aqui). Diversos pais ouvidos pela reportagem do Extra-Classe, programa de TV do Sinpro Minas, também se manifestaram favorável à paralisação, por entenderem que se trata de reivindicações legítimas, voltadas para a melhoria da educação.Neste domingo (4/5), o Extra-Classe, exibido às 8h55, na TV Band, vai trazer um programa especial sobre a campanha reivindicatória 2010. Não perca!Confira abaixo a reportagem exibida nesse domingo (28/3) no Extra-Classe.

ReivindicaçõesNa assembleia dessa sexta (26/3), os professores voltaram a relatar casos de sobrecarga de trabalho e de pressão por parte dos donos de escolas. Reafirmaram que vão paralisar as atividades por tempo indeterminado, caso o patronal não atenda as reivindicações apresentadas e insista em retirar conquistas históricas, e disseram, ainda, que a insatisfação na categoria é crescente.  “Estamos vivendo um processo de precarização das condições de trabalho que prejudica várias categorias. A greve é o único caminho hoje para garantir os direitos trabalhistas”, disse uma professora do ensino superior. “Não basta só conquistas financeiras, queremos a nossa dignidade”, afirmou outra professora. “Não podemos ter medo. Se pararmos todos, tenho certeza que vamos alcançar nossos objetivos”, disse um professor do ensino médio.>> Clique aqui e acesse a pauta de reivindicações Contraproposta indecorosa retira direitosA contraproposta patronal, apresentada em 25/3, se recusa a conceder um aumento real, limita o adicional por tempo de serviço em 5% (atualmente o quinquênio acumulado pode chegar a 25%), transfere as férias do ensino superior e posterior para 1º a 30 de julho e reduz a garantia de salários (de 120 dias para 90 dias por semestre) e o adicional extraclasse, ao incluir nele a possibilidade de realizar seis reuniões pedagógicas por semestre. Os professores terminaram a assembleia emocionados e reafirmaram em coro: “não aceitaremos a retirada de direitos!”. Em seguida, eles fizeram uma manifestação pelas ruas do centro da capital, em luta por respeito, melhores salários e condições de trabalho.

>> Reveja imagens de mobilização dos professores da rede privada

RiscoO grande nó nas negociações é que, havendo dissídio coletivo, o processo corre o risco de não ser julgado devido à falta de comum acordo entre as partes para instaurá-lo, por conta da emenda 45.Se isso acontecer, os professores ficarão sem um instrumento jurídico (a Convenção Coletiva de Trabalho – CCT) que respalde suas conquistas, pavimentando o caminho para precarizar ainda mais as condições de trabalho e salários e retirar direitos históricos, como as bolsas de estudos. Enquanto a CCT não é fechada, muitas escolas não estão aceitando o requerimento de bolsas distribuído pelo Sinpro Minas.     

Agora é para valer! Vamos parar e mostrar a nossa força e união! Campanha reivindicatória 2010Assembleia com paralisação05/04 – segunda-feira Horário: 8 horas da manhã   Auditório da Faculdade de Medicina da UFMG (Av. Alfredo Balena, 190 – Centro – BH)17h – Manifestação na porta do Sinep-MG(Rua Araguari, 644 – Barro Preto – BH)Valorizar os professores também é defender a educação!NENHUM DIREITO A MENOS!

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha