Notícias

Projeto exige capacitação em primeiros socorros para professores

A Câmara dos Deputados aprovou, dia 14, o regime de urgência para o Projeto de Lei 9468/18, dos deputados Ricardo Izar (PP-SP) e Pollyana Gama (PPS-SP), que institui a obrigatoriedade de escolas de ensino ou recreação infantil e fundamental capacitarem seu corpo docente e funcional em noções básicas de primeiros socorros.

A proposta foi apresentada sem que os autores tivessem dialogado com os profissionais envolvidos. “O profissional de saúde é diferente do da educação. Atribuir funções aos professores e funcionários dos estabelecimentos de ensino é atribuir-lhes também responsabilidades para as quais não estão preparados. Imagine se uma criança morre nas mãos de um professor ‘formado’ em primeiros socorros…”, alerta o coordenador-geral da Contee, Gilson Reis. “Obviamente, adquirir  conhecimento sobre primeiros socorros é importante, mas isso precisa ser discutido com os envolvidos, inclusive sobre o conteúdo dos cursos que seriam oferecidos”, complementa.

Pelo projeto, serão ministrados cursos por entidades municipais ou estaduais, especializadas em práticas de auxílio imediato e emergencial à população, como corpo de bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Defesa Civil, forças policiais, secretarias de Saúde, Cruz Vermelha Brasileira ou serviços assemelhados.

O objetivo é possibilitar que professores e funcionários de escolas públicas e privadas sejam capazes de identificar e agir preventivamente em situações de emergências e urgências médicas e intervir no socorro imediato do acidentado até que o suporte médico especializado, local ou remoto, torne-se possível.

“O que se pretende de fato é não permitir que se instale, por pura negligência ou descuido, um quadro severo ou letal fruto de acidente pelo simples desconhecimento de simples técnicas de ação imediata que podem tornar-se a diferença entre a vida e a morte de um vulnerável”, explica Ricardo Izar.

Cultura da paz

Também na Câmara, em audiência pública, especialistas ressaltaram a necessidade de políticas públicas para a formação de professores para promover a cultura da paz nas escolas. O debate foi promovido, no dia 14, pela comissão especial destinada a elaborar propostas legislativas para desenvolver a cultura da paz.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a cultura da paz é um conjunto de valores, atitudes, tradições, comportamentos e estilos de vida baseados no respeito à vida, no fim da violência e na promoção e prática da não-violência por meio da educação, do diálogo e da cooperação.

Para o coordenador do Núcleo de Estudos e Formação de Professores em Educação para a Paz e Convivências da Universidade Estadual de Ponta Grossa (PR), Nei Salles Filho, o principal passo para a promoção da cultura de paz é a formação de professores. “Essa formação envolve conhecimento das áreas de valores humanos, direitos humanos e mediação de conflitos”, citou. Ele lembrou que a promoção da cultura de paz nas escolas foi incluída como meta do Plano Nacional de Educação (2014-2024).

Desigualdade social

O professor da Escola Municipal de Ensino Fundamental João Amós Comenius, de São Paulo (SP), Samuel de Jesus, destacou a dificuldade de se construir uma cultura de paz em meio à desigualdade social e outras mazelas sociais. Três milhões de pessoas voltaram a viver em estado de pobreza no Brasil no ano passado.

A diretora da Escola Estadual Professor Salvador Rocco, de São Paulo, Carla Pietro Contieri, afirmou que muitos fatores externos influenciam a vida escolar, como, entre outros, o ambiente violento, a falta de sono e a má alimentação.

A Contee e suas entidades filiadas têm denunciado a violência na sociedade e nas escolas. O Sindicato dos Professores de Minas Gerais, em 2010, por exemplo, criou o serviço Pela paz nas escolas , denuncie a violência, “destinado aos professores da rede privada de Minas Gerais para que sejam registradas denúncias de quaisquer atos de violência (agressões físicas, verbais, dano a patrimônios, assédio moral ou sexual, entre outros) no interior das escolas”.

Segundo o coordenador-geral da Contee, os professores e estudantes são vítimas de agressões e bullyng, “inclusive somos vitimados pela violência policial, quando nos manifestamos em defesa da educação com qualidade e de nossos direitos, como ocorreu no último dia 14 na Câmara de Vereadores na capital paulista”.

Carlos Pompe para o Portal CONTEE: www.contee.org.br

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha