Notícias

Reforma da Previdência representa o fim da aposentadoria

Defensa seu direito à aposentadoria participando da greve geral do dia 14

greve-geral1

Atenção trabalhador, atenção trabalhadora!

A proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro acaba com as aposentadorias públicas e privatiza o sistema previdenciário brasileiro. Se for aprovada no Congresso, a maioria da nossa classe trabalhadora perderia o direito à aposentadoria. Além disso, impõe inúmeros outros retrocessos.

Entre eles, a fixação da idade mínima; 40 anos de contribuição para receber 100% do valor do benefício; aumento do tempo de trabalho para gozar a aposentadoria (em particular para as mulheres e trabalhadoras rurais) e corte do Benefício de Prestação Continuada (pessoas extremamente pobres e deficientes terão o benefício reduzido de R$998 para R$400).

O governo quer jogar sobre as costas da classe trabalhadora todo o ônus da crise econômica pela qual na verdade é o principal responsável, junto com banqueiros e grandes empresários nacionais e estrangeiros, que serão os únicos a lucrar com as mudanças nas regras da aposentadoria.

A reforma vai provocar um empobrecimento ainda maior do povo brasileiro. Ao contrário do que alardeiam o Palácio do Planalto e a mídia capitalista, isto vai agravar o drama do desemprego em massa e os problemas nacionais, a exemplo do que ocorreu após a reforma trabalhista e a terceirização irrestrita.

O sistema previdenciário brasileiro é o maior programa de distribuição de renda da América Latina e mais de 4 mil municípios do país dependem dos recursos da aposentadoria para sobreviver. A capitalização, que não deu certo em lugar nenhum do mundo, vai privatizar o sistema e destruir tudo isto. Os efeitos da capitalização são notórios do Chile hoje: mais de 90% dos aposentados recebem menos da metade do salário mínimo e o índice de suicídio de idosos aumentou substancialmente, batendo todos os recordes.

Existem outros caminhos para retornar o crescimento da economia e contornar o desequilíbrio fiscal. Entre as medidas necessárias neste sentido destacam-se:

Taxação das grandes fortunas e dos lucros e dividendos apropriados por rentistas, sobretudo os lucros remetidos pelas transnacionais ao exterior em detrimento dos investimentos internos;

Cobrança da dívida dos empresários com o INSS, que alcança mais de R$400 bilhões

Fim das desonerações e da DRU (Desvinculação das Receitas da União), que subtraem recursos do orçamento público e da Seguridade Social;

Reforma Tributária progressiva que onere o capital financeiro e desonere o trabalho e a produção;

A reforma que o governo pretende aprovar no Congresso Nacional é contrária aos interesses do povo e da nação brasileira, razão pela qual é repudiada pelas centrais sindicais, pelos parlamentares comprometidos com a classe trabalhadora, pelos movimentos sociais e setores democráticos e progressistas do nosso país. É um retrocesso que temos a obrigação de barrar.

Seja consciente! Defenda seu direito à aposentadoria. Participe da greve geral do dia 14 de junho e das manifestações convocadas pelo movimento sindical contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro.

CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Montes Claros
Poços de Caldas
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia