Notícias

Reitoria da PUC insiste na retirada de direitos dos professores

14 de agosto de 2008

Negociação pressupõe perdas e ganhos, mas reitoria pensa diferente

Desde meados do ano passado, os professores da PUC Minas iniciaram um processo de negociação com a reitoria sobre o Acordo Coletivo de Trabalho 2008/2009. Ao longo desse tempo, assembléias e reuniões foram realizadas para debater o assunto e, em todas elas, a administração da Universidade insistiu na retirada de direitos históricos dos professores, conquistados com muita luta, como a redução no adicional por tempo de serviço e na complementação salarial ao benefício previdenciário, entre tantos outros. 

Na assembléia realizada em dezembro do ano passado, a proposta da reitoria foi amplamente rejeitada pelos professores. Na ocasião, apesar da manifestação contrária ao que propunha a administração da Universidade, os docentes decidiram retomar as negociações, com o objetivo de tentar avançar mais em relação à manutenção de seus direitos.Na assembléia de fevereiro deste ano, convocada para discutir os rumos da negociação, os professores não chegaram em um consenso e a proposta não foi votada. Mais uma vez, a saída foi voltar para a mesa de negociação. Na última assembléia, realizada nos campi Coração Eucarístico, Poços de Caldas e Arcos, em julho, os professores, bastante divididos e pressionados pelo argumento da reitoria de adequação financeira da Universidade (nos bastidores, os argumentos incluíam, inclusive, ameaças de retirada de mais direitos e fechamento de algumas unidades), recuaram e aceitaram – com uma pequena margem de diferença nos votos – uma proposta prejudicial aos seus interesses.Diante do impasse e como não houve uma decisão convergente em todas as assembléias realizadas, o Sinpro Minas avalia que o momento demanda mais uma etapa de negociações, conforme feito após o resultado da assembléia de dezembro. “Se a negociação foi retomada mesmo após os professores terem dito não à proposta da reitoria, é mais do que legítimo agora reiniciar o processo, de maneira que possamos usar de todos os meios possíveis para garantir a preservação dos direitos da categoria”, avalia Gilson Reis, presidente do sindicato.Para o Sinpro Minas, toda negociação é um processo de perdas e ganhos, e a proposta da reitoria apresenta apenas perdas para os professores da PUC Minas, enquanto a reivindicação dos docentes refere-se apenas à manutenção das conquistas previstas no atual Acordo Coletivo de Trabalho. “Estamos abertos à negociação e achamos que há espaço para isso”, afirma a diretora Celina Arêas, que esteve presente na última assembléia.Caso as negociações não avancem, o Sinpro Minas estuda a possibilidade de propor a realização de uma nova consulta à categoria, por meio, por exemplo, de um referendo, para que os professores possam se manifestar livremente, sem o constrangimento da presença de membros da reitoria no local da votação, como ocorreu nas assembléias.“Uma análise nos acordos coletivos e em jornais antigos nos mostra que, na hora de discutir os direitos dos professores, o argumento da reitoria é sempre o mesmo: ‘não há recursos suficientes e a situação exige uma adequação orçamentária e um rigoroso controle das finanças’. Hoje a PUC Minas é uma instituição consolidada, ocupando a décima posição no ranking das maiores Universidades do país, com cerca de 60 mil alunos. Portanto, não há motivos de ordem financeira, conforme quer fazer crer a administração. Diante da situação, reiteramos a nossa opinião de que investir na precarização das condições de trabalho dos professores é colocar-se contra uma educação de qualidade, além de prejudicar aqueles que, com todo o esforço, construíram a credibilidade que a instituição possui hoje”, pondera Gilson Reis.   

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha