Notícias

Servidores da educação em BH e no estado cruzam os braços

16 de março de 2010

Os servidores da educação do estado e da Prefeitura de Belo Horizonte estão de braços cruzados nesta terça-feira. Eles cobram reajuste e reposição de perdas salariais. De acordo com a diretora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da capital, Adriana Mansur, a categoria quer a reposição de 22,41% das perdas por causa da inflação. Ela afirma que estão sem reajuste salarial desde 2007.

O Sindicato também luta contra a Lei 9815/10. Segundo Adriana Mansur, a lei não ajuda em nada os professores. “A lei é um absurdo, ela prevê abono de fixação somente para algumas escolas; prêmio de orientação pedagógica, mas para receber o servidor tem que participar de reunião fora do horário de trabalho; e o pior, o servidor não pode ter nenhum dia de licença médica. Além disso a lei não beneficia os auxiliares de escola e os aposentados”, explica a diretora.

Durante a manhã, a diretoria do sindicato se reuniu e às 13h ocorre uma assembleia geral. Ainda conforme o sindicato, a paralisação atinge cerca de 70% das 230 unidades, entre escolas e unidades de educação infantil. A rede municipal tem mais de 120 mil alunos. A Secretaria Municipal de Educação deve falar ainda esta terça sobre o movimento dos servidores.

Já na rede estadual, os servidores estão mobilizados para uma grande manifestação, reivindicando a implementação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN). Segundo o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), a categoria está sem reajuste há três anos. O piso salarial do professor de nível médio de escolaridade é de R$ 336 e dos professores com graduação o piso é de R$ 500,49. Representantes do sindicato também se reuniram pela manhã e, a partir das 14h, os servidores fazem uma concentração na Cidade Administrativa, onde fazem uma assembleia geral e protesto.

De acordo com a coordenadora do SindUTE, Beatriz Cerqueira, além dos servidores em educação, todo o funcionalismo público do estado foi convocado para a manifestação.

A Secretaria de Estado de Educação informou que o número de escolas paradas só será informado depois da contagem nas 46 superintendências de ensino em todo o estado. Sobre as reivindicações, o governo só vai se pronunciar depois da manifestação marcada para as 14h. Fonte: Portal Uai

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha