Notícias

Sindicalistas e deputados debatem redução da jornada de trabalho

10 de novembro de 2009

Reduzir a jornada de trabalho, das atuais 44 horas semanais para 40 horas, sem diminuir o valor dos salários. Essa foi a tônica da audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta terça-feira (10/11), solicitada pelos deputados André Quintão (PT) e Carlin Moura (PCdoB).  

Cálculos do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) foram lembrados para fundamentar a defesa da redução de jornada. Segundo o órgão, os salários representam 22% do custo médio de produção no Brasil, e a redução de 44 para 40 horas representaria um impacto de apenas 1,99% para as empresas que, a curto prazo, seria absorvido pelo aumento da produtividade. Além disso, a medida poderá gerar até 2,5 milhões de empregos, sendo cerca de 300 mil em Minas Gerais.

O presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, participou da audiência e disse que os movimentos social e sindical devem manter uma postura firme em relação à redução da jornada. De acordo com ele, nos últimos 20 anos, o setor produtivo aumentou sua produtividade em 87%, sendo que a participação dos salários no Produto Interno Bruto (PIB) caiu de 48%, em 1960, para 36% em 2007.

 

“A situação atual da economia brasileira deixa margem para uma redução ainda maior da jornada de trabalho. Assim que aprovarmos as 40 horas, vamos começar a luta para diminuir a jornada para 30 horas semanais”, completa Gilson Reis. Nesta quarta-feira (11), milhares de trabalhadores vão realizar uma manifestação em Brasília para pressionar o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), a colocar a proposta de emenda constitucional (PEC) 231/95 na pauta de votações (Clique aqui e leia mais sobre a Marcha da Classe Trabalhadora). A PEC, que tem recebido o apoio de diversos setores da sociedade civil organizada, tramita há 14 anos no Congresso Nacional. O assunto também foi abordado pelo programa de TV do Sinpro Minas, no último domingo (8/11) (Clique aqui e assita).

 

Para o presidente da Comissão de Participação Popular, deputado André Quintão, há ainda que se pensar no fator estritamente humano dessa mudança. A redução do estresse do trabalhador e a possibilidade de aumento do seu convívio familiar e até mesmo de capacitação profissional justificam a diminuição da jornada. Tanto ele quanto o deputado Carlin Moura acreditam que o momento é oportuno para aprovação da proposta. “A correlação de forças no Congresso hoje é mais equilibrada do que há 15 anos”, afirmou Carlin.

 

O deputado Sargento Rodrigues (PDT) trouxe para a reunião as dificuldades enfrentadas pelos policiais e bombeiros militares, dizendo que enquanto se discute uma jornada máxima para os trabalhadores, coronéis impõem, por meio de resoluções, carga horária mínima de 40 horas. Ele destacou o princípio da dignidade humana previsto pelo artigo 1º da Constituição Federal e se emocionou ao lembrar da greve dos policiais em 1997, que resultou na morte de um dos líderes do movimento, cabo Valério, lembrando que a manifestação buscava justamente o resgate da dignidade da categoria.

 

Para o presidente da Nova Central Sindical, Antônio da Costa Miranda, o Brasil vive um momento contraditório. Por um lado, o drama da falta de oportunidades de trabalho, “e o homem sem trabalho não tem dignidade”, alertou. Por outro, a carga horária excessiva tem causado muitos problemas de saúde, onerando exageradamente a Previdência Social. “Vivemos um período de alta produtividade e baixa remuneração”, disse ele.Os outros representantes da classe trabalhadora – Carlos Magno de Freitas, da Central Única dos Trabalhadores (CUT), e Marcelino Rocha, do Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, também apoiaram a PEC e chamaram a atenção para a necessidade de limitação das horas-extras. Segundo Marcelino, na Fiat há casos de operários que chegam a trabalhar das seis da manhã até meia-noite. O deputado Carlos Gomes (PT) parabenizou as duas comissões pelo debate e manifestou também seu apoio à redução de jornada.

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha