Notícias

Sinpro Minas repudia retaliações e exige democratização

11 de março de 2009

 

Em respeito aos alunos, os professores da Unincor retornaram às aulas no dia 2 de março após mais um período de greve por falta de pagamento de salários e encargos trabalhistas.  Por cerca de quatro meses, professores e funcionários passaram por momentos de dificuldades financeiras em razão do não recebimento em dia dos salários de dezembro, 13º, férias e 1/3 constitucional de 2008.

 

No dia 27 de fevereiro, a universidade apresentou uma proposta de pagamento parcelado dos salários atrasados. Em assembleia no dia 28 de fevereiro, a categoria acatou o parcelamento e rejeitou o ponto que trata do pagamento de multa de apenas 1% sobre os atrasos. Além disso, os professores exigiram que a instituição garanta a estabilidade para todos durante o ano letivo de 2009 e que não haja nenhuma retaliação aos grevistas. Esses pontos em aberto indicam que a situação ainda não foi resolvida por completo na Unincor. Assim sendo, os professores decidiram pela manutenção do estado de greve até que se resolvam as pendências e que se cumpra todo o pagamento do passivo trabalhista.

 

Diante desse quadro, a diretoria do Sinpro Minas repudia as retaliações (diminuição de carga horária e retirada de cargos de coordenação) e o assédio moral praticados contra os professores da Unincor, todos da unidade de Betim, que legitimamente participaram do movimento grevista, encerrado no último dia 28 de fevereiro. Nesse sentido, o Sinpro ressalta que não admite qualquer tipo de ação contra os docentes e demais funcionários da instituição de ensino.

 

Para discutir as pendências trabalhistas e os casos de desrespeito aos trabalhadores, será realizada uma reunião entre representantes do Sinpro Minas e da Unincor, no dia 12 de março, em Três Corações. Caso as retaliações continuem, os professores podem deflagrar greve novamente. No encontro, também será discutida a democratização da universidade, através da participação de toda a comunidade acadêmica no processo de gestão do conselho universitário.

 

Educação não é mercadoria

Mais do que uma luta pelo cumprimento dos direitos e por condições dignas de salário e de trabalho, o movimento dos professores da Unincor representa um passo importante para a construção de uma universidade melhor e mais democrática do que a atual. Dessa forma, os professores e funcionários que retornaram às aulas, em respeito aos alunos e ao projeto pedagógico desenvolvido, desejam que o crédito de confiança dado à instituição traga soluções imediatas e definitivas para os problemas trabalhistas e  represente melhorias para a qualidade do ensino, contribuindo assim para o desenvolvimento do país.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha