Notícias

Sinpro participa das mobilizações por um acordo justo em Copenhague

3 de dezembro de 2009

Entre 7 e 13 de dezembro, vão acontecer, em Belo Horizonte, várias ações em sintonia com a Conferência do Clima, que será realizada em Copenhague, na Dinamarca. Nesta segunda-feira (07/12), às 10h, o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro Minas) vai promover uma intervenção cultural na Praça 7, no centro da capital. O Sinpro vai distribuir panfletos informativos e afixar um varal com bandeiras que estampam o símbolo do gás carbônico (CO2), numa alusão à necessidade de reduzir a emissão de gases poluentes para combater o aquecimento global.Também estarão em foco, nesta semana, as ações da Academia da Sobrevivência e da Campanha Ação Global pelo Clima – Tictac, que vão até 13 de dezembro, na capital mineira e em todo o Brasil.A Conferência do Clima vai ser realizada entre 7 e 18 de dezembro. O evento terá como centro dos debates a dimensão política das mudanças climáticas, visando um novo acordo para a redução de gases poluentes, com o objetivo de frear o aquecimento global.
Ação Global pelo Clima 7 a 13 de dezembro – BH07/12 – segunda – 10hAtividades na Praça 7 – Sinpro MinasOutras ações: http://academiadasobrevivencia.ning.com/ www.tictactictac.org.br Participe! “O mundo precisa de calor humano, não de aquecimento global!”

Para saber mais, leia o artigo:
Soluções devem ter foco nas comunidadesAo invés de uma grande solução global para as mudanças climáticas, um relatório do IIED e da New Economics Foundation afirma que a saída está em projetos locais e em um novo modelo de desenvolvimento, que valorize mais as pessoas que o crescimento econômico.A lógica não parece tão ruim: um mundo mais rico é por conseqüência melhor para todos. De uma forma geral, os países industrializados pensam que fornecer maneiras para o mercado crescer é a melhor saída para resolver os problemas globais, incluindo agora as mudanças climáticas. Já é fácil observar como boa parte das opções de combate ao aquecimento global surgem dessa visão e passam também pelo mercado, do REDD à venda de créditos de carbono.Acontece, porém, que o enriquecimento do mercado nos Estados Unidos não necessariamente leva a uma condição melhor de vida para os habitantes do Burundi, por exemplo.E é este tipo de pensamento equivocado que estaria rendendo soluções insatisfatórias para as mudanças climáticas segundo o relatório “Other Worlds are Possible – Human Progress in an Age of Climate Change”, publicado nesta segunda-feira (30/11) pelo Instituto Internacional para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (IIED) e pela New Economics Foundation, a pedido do Working Group on Climate Change and Development, uma rede de organizações ligadas ao desenvolvimento e meio ambiente.“Está claro que as respostas atuais para mitigação e adaptação são inadequadas e que o modelo de desenvolvimento seguido hoje vai apenas piorar os impactos das mudanças climáticas” escreveu o presidente do IPCC, Rajendra Pachauri, no prefácio do relatório.O documento defende que as soluções devem considerar modelos econômicos mais regionalizados, com foco nas comunidades e os investimentos devem ser centrados em projetos que afetem diretamente as pessoas que mais sofrem com as mudanças climáticas.Novos problemas, velhas soluçõesViolência, sistemas de saúde e educação ineficientes e desigualdade social são algumas questões que são debatidas há décadas, e que segundo o relatório nunca foram abordadas da maneira correta.O documento descreve como as mudanças climáticas e o desenvolvimento são interligados e como se seguirmos modelos econômicos não sustentáveis só chegaremos a efeitos negativos e ainda mais erros. O que os pesquisadores sugerem é uma alteração nas propostas de soluções para o fenômeno e a criação de um novo modelo econômico.Para eles, o desenvolvimento não deveria depender tão estritamente do crescimento econômico, mas precisaria considerar fatores como a felicidade das pessoas e a qualidade ambiental.“As antigas convicções crêem no crescimento global como uma panacéia, como se pudéssemos transformar capital natural em capital financeiro e que isso nos liberaria de nossa dependência do meio ambiente. Com as mudanças climáticas nós podemos ver como essa idéia é míope, distorcida e não sustentável”, detalha o relatório.Segundo o documento, ao invés de se encorajar decisões globais, seriam as iniciativas locais que deveriam ser incentivadas e mais debatidas. Os pesquisadores apresentam alguns projetos bem sucedidos como o estabelecimento de uma rede de agricultura orgânica nas Filipinas e propostas diferentes do Produto Interno Bruto (PIB) para medir o desenvolvimento.O Butão, por exemplo, criou o Gross National Happiness (algo como Felicidade Interna Bruta) e a New Economics Foundation o “Green New Deal”, que propõe uma reestruturação do sistema financeiro para lidar com as mudanças climáticas, a crise econômica e o declínio da produção do petróleo ao mesmo tempo.“Todos os governos que irão a Copenhague dizem que querem parar o aquecimento global. Ainda assim, todos eles ainda promovem políticas econômicas que são a garantia de um desastre (…) Sem um novo modelo econômico, qualquer acordo climático irá fracassar. Este relatório mostra que esses novos modelos já existem. O desafio agora é abandonar a antiga visão que trata o planeta como um negócio em liquidação e as pessoas como um ineficiente fator de produção”, concluiu Andrew Simms, um dos autores do relatório Other Worlds Are Possible.   Fonte: CarbonoBrasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha