Notícias

Substitutivo da PEC 6/2019 mantém destruição da Previdência Social

Por José Geraldo de Santana Oliveira*

“Se quisermos que tudo continue como está, é preciso que tudo mude. Fui claro?”

A presunçosa sentença da epígrafe foi proferida pelo personagem Tancredi, da obra “O Leopardo”, do escritor italiano Giuseppe de Lampedusa. Ao que parece, essa fatídica sentença serviu de baliza para o substitutivo do relator da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 6/2019, deputado federal Samuel Moreira (PSDB-SP), pois que nele foram mantidas as principais maléficas e danosas modificações de lesa seguridade social, contidas no texto original, com exceção do demônio da capitalização; do fim da garantia constitucional de garantia de reajuste anual dos proventos de aposentadoria, para preservar-lhe o valor real em caráter permanente; da redução do benefício da prestação continuada (BPC); e da supressão das quase inatingíveis exigências que se pretendiam impor aos trabalhadores rurais.

Além dessas modificações, que nada mais fazem do que restabelecer o texto constitucional, as diversas inflexões feitas pelo relator visaram a manter a PEC 6/2019 nos seus pontos cruciais, que trazem como marca a drástica redução das garantias asseguradas pela Previdência Social.

Assim ficam mantidos o fim da aposentadoria por tempo de contribuição; a elevação da idade mínima de 60 para 62 anos para a mulher; a elevação do tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos para o homem; a exigência de 40 anos de contribuição- — com 12 por ano — para a aposentadoria com 100% do salário de benefício (SB); o cálculo da aposentadoria com base em 100% de contribuições de todo o período contributivo; a redução de 25% no valor mínimo dos proventos de aposentadoria, passando dos atuais 85% para 60% do SB; a redução drástica dos beneficiários do PIS e do Pasep, que ficam limitados aos que recebem até 1,36 salário mínimo (hoje, são 2).

Os regimes próprios de Previdência Social (RPPS) são todos desconstitucionalizados e remetidos à regulamentação por lei ordinária; de igual modo, o requisito de idade, no Regime Geral de Previdência Social (RGPS), para os que nele ingressarem a partir da promulgação da EC, ficando garantido constitucionalmente apenas o requisito de idade, aos 62 e 65 anos, respectivamente, para mulheres e homens.

Quanto aos professores públicos federais — os estaduais e municipais ficam fora da reforma — e privados, o direito à aposentadoria é desconstitucionalizado e remetido à regulação por lei complementar, o que representa retrocesso de 38 anos, pois que ele foi constitucionalizado com a Emenda Constitucional (EC) N. 18/1981.

Para os que se filiaram a um dos regimes previdenciários até a promulgação da EC de que trata a PEC 6/2019, além da exigência de 40 anos de contribuição, para fazerem jus a 100% do SB, da redução do provento mínimo de 85% para 60% deste, a idade é elevada para 57 e 60 anos, respectivamente, para homens e mulheres.

Soma-se a tudo isso a exclusão dos estados e municípios da atual reforma, ficando a critério de cada um deles promovê-la por lei ordinária, o que inevitavelmente levará ao mais colossal retrocesso social, pois essa exclusão abre a possibilidade de existência de nada mais, nada menos, do que 5.598 regimes de Previdência Social, sendo 5.570 municipais, 26 estaduais, um distrital e um federal, regulamentado pela EC em discussão.

E o que é pior: os estaduais, distrital e municipais poderão ser alterados a todo momento, por simples lei ordinária, que não exige nenhum quórum qualificado para a sua aprovação. Isso, a toda evidência, importará a destruição da ordem social preconizada pela CF de 1988, que tem como base o primado do trabalho e como objetivos o bem-estar e a justiça sociais.

*José Geraldo de Santana Oliveira é consultor jurídico da Contee

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha