Notícias

Vacina da covid-19 precisa ser universal e gratuita, sem agravar desigualdade

Especialistas criticam briga por patente do medicamento e defendem a imunização como um “bem público”

Por Rede Brasil Atual, com informações da Agência Fiocruz

Algumas das mais promissoras possibilidades de vacina contra a covid-19 estão na fase final de elaboração. Entretanto, ainda há dúvidas sobre sua distribuição. Para evitar que o acesso não agrave a desigualdade social, especialistas internacionais defendem que o medicamento seja entregue de maneira universal e gratuita.
O assunto foi debatido no seminário internacional Vacinas e medicamentos para Covid-19 como bens públicos globais, na última quinta-feira (30). Os palestrantes foram unânimes sobre o tema: a vacina não pode ser limitada e, muito menos, virar briga sobre patentes.
O secretário-executivo da Aliança Latino-americana de Saúde Global (Alasag), Sebastián Tobar, usou como exemplo o virologista Jonas Salk, que descobriu a vacina contra a poliomielite, em 1955, e se recusou a patentear o medicamento. “Sabemos das imensas dificuldades para garantir acesso a todos, sobretudo nos países mais pobres, que concentram a maior parte da população mundial. Precisamos ter a responsabilidade de garantir o acesso a todos. Não é admissível que grandes conglomerados farmacêuticos globais desenvolvam uma vacina e limitem o acesso, cobrando valores altíssimos pelo produto, inviabilizando que os pobres sejam imunizados”, disse Tobar.
O pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Jorge Bermudez lembra que a pandemia impactou todo o mundo e desmascarou as desigualdades de diversas regiões. Em São Paulo, por exemplo, o coronavírus infectou mais pessoas nos distritos ricos, mas matou mais nos pobres.
Bermudez acrescenta que desde os moradores de rua até as comunidades indígenas precisam ter acesso à imunização. Para ele, o “falso dilema” entre salvar vidas ou salvar as economias não pode permitir uma paralisação de iniciativas.
“É necessário um plano global de ação em saúde pública, que abranja inovação e propriedade intelectual, regulação, preços adequados, acesso, cobertura, compras conjuntas e abastecimento para que possamos dar uma resposta à altura desse desafio ímpar”, defendeu.
Ele ainda criticou a corrida pela descoberta da vacina entre diversos países, como Estados Unidos, Rússia e China. O pesquisador da Fiocruz lembra que essa medida é para uma apropriação da vacina, sem senso de solidariedade. “Vivemos em uma sociedade predadora e excludente. É revoltante e assustador saber que se fala em uma vacina que, de acordo com alguns fabricantes internacionais, poderá custar até US$ 40 a dose”, alertou.
‘Nacionalismo exclusivista’
O epidemiologista e pesquisador da Fundação Ifarma (Colômbia) Francisco Rossi lamenta que a batalha pelo acesso a vacinas e medicamentos possa se tornar algo excludente. Segundo ele, a pandemia é um problema global que necessita de respostas humanitárias, desvinculadas da ideia de lucro.
“Se for para voltarmos ao ‘antigo normal’ é melhor não termos vacina. Isso porque o que tínhamos, e continuamos a ter, quando vemos o nacionalismo exclusivista de países como os Estados Unidos, era um mundo desigual e com profundas iniquidades. É forçoso superar essa realidade”, lamentou.
Na avaliação do pesquisador, as multinacionais procuram formas de gerar monopólios na distribuição de medicamentos. “Também é um ótimo momento para discutirmos a questão das patentes. No caso de medicamentos, elas não deveriam existir. A propriedade intelectual representa uma barreira ao acesso a medicamentos”, acrescentou.
Latino-americanos
Os países da América Latina, em sua maior parte, não têm capacidade para produzir a vacina contra a covid-19, o que torna ainda mais importante a cooperação internacional. Para a advogada Mirta Levis, da Associação Argentina de Saúde Pública e diretora do Centro de Estudos em Saúde Global da Universidade Isalud, há chances dos latino-americanos ficarem por último na fila da imunização.
Paulo Buss, coordenador do Centro de Relações Internacionais em Saúde (Cris), da Fiocruz, disse que o Grupo dos 77, que representa países em desenvolvimento, solicitou uma reunião da Assembleia Geral da ONU para discutir o acesso universal às vacinas contra o coronavírus. Ele assegurou que a Fiocruz, que fechou parceria com a farmacêutica AstraZeneca para produzir uma vacina contra a covid-19, irá ajudar os países vizinhos a superar a pandemia. “Vamos suprir as necessidades dos cidadãos brasileiros. Mas também seremos solidários com nossos irmãos latino-americanos e dos países africanos de língua portuguesa.”

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha