Notícias

Colégio em Três Pontas tem 33% de trabalhadores/as com suspeita de Covid-19 

Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

Como era esperado, a volta às aulas presenciais tem gerado muita apreensão e um risco à comunidade escolar. Um exemplo é o que está ocorrendo no Colégio Travessia, do grupo Unis-MG, no município de Três Pontas: 12 dos 35 trabalhadores/as foram afastados/as com suspeita de Covid-19. Ou seja, 33% do quadro de funcionários/as. Esses/as trabalhadores/as estão em regime remoto, mas a escola segue funcionando, resistente ao fechamento, mesmo diante desse cenário. O Colégio, até o momento, não tomou providências referente à testagem no quadro de funcionários, uma reivindicação importante para que os/as trabalhadores/as tenham um mínimo de segurança e amparo.

O Sinpro Minas já fez denúncia na Vigilância Sanitária e na Câmara dos Vereadores. De acordo com Valéria Morato, presidenta do Sinpro Minas, as análises científicas já previam esse risco com a abertura das escolas. “As escolas são ambientes propícios à contaminação, por serem lugar de aglomeração. Sabemos o quanto os protocolos em si não oferecem proteção a esses/as trabalhadores/as e aos/às estudantes. É lamentável, que mesmo assim, a direção da escola não se sensibilize com a situação”, afirmou.

De acordo com dados divulgados no último boletim da Secretaria de Saúde de Três Pontas, o município já soma um total de 4068 casos de contaminação por Covid-19 sendo que 90 evoluíram para óbito. Com relação à região do Sul de Minas, mais 95 mortes e outros 2.222 novos casos de foram confirmados nesta segunda-feira (10/05) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Com os novos dados, a região chega a 178.407 casos confirmados do novo coronavírus, com 4.446 mortes.

Segundo Valéria, infelizmente, o que acontece no Colégio Travessia não é um caso isolado. O Sinpro Minas tem recebido várias denúncias e relatos de professores/as apreensivos com a contaminação no ambiente de trabalho. “Além da sobrecarga de trabalho, a volta às aulas presenciais tem trazido aos/às professores/as também apreensão e medo. Existe um impacto emocional ao se saber que você pode ser contaminado a todo momento”, ressaltou.

O Sinpro Minas segue tomando todas as medidas necessárias para frear os impactos da volta às aulas presenciais na vida dos/as trabalhadores/as. Para isso, é importante que as denúncias de descumprimento de protocolos sejam enviadas ao sindicato. Todas as identidades são preservadas.

 

Foto: Ag. Senado/Reprodução

Comentários (0)

Deixe um comentário