Notícias

Orientações sobre o funcionamento das escolas em dias do jogo do Brasil

21 de novembro de 2022

Já foi dada a largada da Copa do Mundo 2022, no último domingo (20/11), no Catar, país do Oriente Médio, que sedia a edição do evento. Na primeira etapa, a seleção brasileira tem três partidas, nos dias 24/11, 28/11 e 02/12. Como os horários desses jogos são na parte da tarde, muitos/as professores/as e estudantes têm manifestado dúvidas sobre o funcionamento das escolas da rede privada de ensino. 

Diferente das escolas públicas, que seguem as diretrizes das Secretarias de Educação do município e estado, as escolas da rede privada têm autonomia para decidir sobre o funcionamento da instituição nos horários dos jogos. 

O Sinpro Minas destaca que caso haja dispensa, a decisão tem respaldo na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) de n° 9.394/1996, que no seu Art.1º prevê que “a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais”. Assim, o contexto da Copa do Mundo pode ser incorporado como atividade letiva. 

“Nós do Sinpro Minas, compreendemos, a partir da própria LDB, a importância de valorizar as manifestações culturais e esportivas como parte do processo educacional. É inegável que a Copa do Mundo, como um dos maiores eventos esportivos do mundo, contribui para a construção de imaginários e vínculos, que inclusive extrapolam o futebol. Nos convida também a pensar sobre questões políticas, artísticas, econômicas e sociais”, afirma Valéria Morato, presidenta do Sinpro Minas. 

Valéria ainda alerta que se houver dispensa, a instituição não pode exigir que o/a professor/a trabalhe em outros horários, diferentes do horário contratual de trabalho. “Como a autonomia de decidir sobre a liberação é da escola, o/a professor/a não tem que arcar com nenhuma consequência dessa decisão”, reforça. 

O Sinpro Minas alerta que caso as escolas façam esse tipo de exigência, os/as professores/as devem comunicar imediatamente ao sindicato. 

 

Foto: Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha