Notícias

Sinpro Minas tem nova diretoria

29 de fevereiro de 2016

Posse e seminário de formação aconteceram nos dias 26 e 27 de fevereiro

No dia 26 de fevereiro, foi realizada, em Lagoa Santa, a cerimônia de posse da diretoria do Sinpro Minas, eleita para a gestão 2016/2020. Em um ato marcado pela presença de representantes da cena política, sindical, educacional e estudantil, tomaram posse os 139 professores/as das diversas regiões do Estado. No dia 27, os/as diretores participaram de um seminário de formação.

A nova diretoria, que tem a professora Valéria Morato como presidenta, assume o compromisso de defender os direitos da categoria e lutar pela manutenção da democracia brasileira, em um momento histórico de crise política. “Essa diretoria foi eleita com 99% dos votos válidos, o que mostra a grande representatividade do sindicato e aumenta a nossa responsabilidade diante dos enfrentamentos sindicais e políticos”, afirmou. (Clique aqui e leia o discurso na íntegra).

Valéria Morato – Presidenta do Sinpro Minas

Segundo Gilson Reis, ex-presidente do Sinpro Minas, há pela frente muitos desafios e não há o que temer. “Temos a capacidade histórica de resistir e a possibilidade de construir uma sociedade melhor”, acredita. “O capital privado educacional vem se concentrando e centralizando cada vez mais. Não estamos lidando com os mesmos donos de escolas do passado. A educação está nas mãos dos grandes grupos empresariais que tem como o lucro como o único objetivo”, frisou em seu discurso antes de dar posse a nova diretoria.

Convidado para participar da solenidade, o professor João Jorge de Araújo, dirigente do Sinpro Rio de Janeiro e da Feterj (Federação dos Trabalhadores na Educação do Rio de Janeiro), destacou a grande diversidade de professores/as que compõem a nova diretoria do Sinpro Minas. O sindicalista fluminense também ressaltou algumas lutas centrais para este ano.

“No momento, as entidades que representam os/as trabalhadores/as na educação devem priorizar três eixos de luta, como o embate diário contra o patronal para a conquista de direitos nas Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho, a discussão sobre a nova base curricular nacional, que vai trazer muitas mudanças para o dia a dia de quem está dentro das escolas e precisa ser desvendada com mais clareza, e a defesa da democracia e da soberania nacional, que vem sendo ameaçadas pelas forças conservadoras”, frisou o professor João Jorge.

A deputada federal do PCdoB Jô Moraes enfatizou que o desenvolvimento do país só ocorre quando há uma educação de qualidade, bandeira defendida pelo sindicato. Ela lembrou, ainda, que a gestão anterior, presidida pelo professor Gilson Reis, deixou um caminho trilhado com muitas lutas e que a nova presidenta Valéria Morato receberá uma tarefa de muita importância.

“Diante de um cenário conflituoso, com diversos fenômenos que interferem na luta dos trabalhadores como refugiados e crise econômica na Europa, crise política e ameaças às correntes progressistas no Brasil e no mundo, a Valéria vai enfrentar, junto com os professores, um ‘cometa em chamas’. Contudo, ela tem plenas condições para dirigir a categoria rumo a avanços nos próximos anos”, afirmou Jô Moraes.

Representando a Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Fitee) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), o professor Edson de Paula reforçou a importância de participar do movimento sindical como uma forma de ação política. “Onde houver opressão e exploração do homem pelo homem não haverá felicidade, pois essa é uma conquista coletiva. O Sinpro Minas há de contribuir para a emancipação dos/as trabalhadores/as”, disse em sua saudação à nova diretoria do sindicato.

Também participou do evento de posse a presidenta do Sindicato dos Auxiliares na Administração Escolar (SAAE-MG), Rogerlan de Morais. “Cumprimento a gestão anterior que teve grandes avanços em várias áreas, como a comunicação, e desejo que a nova diretoria do Sinpro Minas consiga vencer as batalhas que virão pela frente”, afirmou.

A diretoria do Sinpro Minas teve a renovação de mais de 40%. A professora Mônica Junqueira é uma das novas diretoras da sede regional do Sinpro Minas em Varginha. Para ela, é muito importante a representatividade do sindicato no interior do Estado. “O primeiro passo já foi dado, temos cinco diretores novos na minha cidade, agora, precisamos unir a renovação com a experiência dos que já atuam há mais tempo para termos mais sucesso nas nossas ações. Acredito que as atitudes da categoria na capital ecoam para o interior”. Mônica lembra que o processo de mobilização nas cidades menores é mais complexo porque os donos de escolas exercem uma opressão muito grande sobre os professores.

Seminário de formação

Em sua participação no evento, o vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Nivaldo Santana, falou sobre estruturação sindical abordando temas como CLT, unicidade sindical (sindicato único por base), contribuições e formas de sustentação das entidades. Segundo ele, para cumprir suas funções, o sindicato deve ter orientação classista, ou seja, ser de massas, ter organização por local de trabalho e estar sintonizado com as lutas políticas do país. “Os pilares essenciais são a luta pela democracia e contra as tentativas golpistas, a defesa dos direitos trabalhistas e previdenciários e a retomada do crescimento econômico. Essas são algumas das bandeiras do Sinpro Minas ao longo da sua história. Também tenho a certeza que essa gestão vai dar um salto de qualidade em suas atividades”, afirma.

_ND78447
Diretoria reunida durante seminário de formação

Para Nivaldo Santana, a perspectiva para o sindicalismo é sempre ruim quando há recessão. “Quando a economia vai bem, os trabalhadores são os últimos a se beneficiar, quando vai mal, no entanto, são os primeiros a serem prejudicados”, disse.

A conjuntura econômica mundial e brasileira foi abordada durante o seminário. O economista Frederico Melo, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), citou alguns dados que apontam para a necessidade de voltar a movimentar o mercado interno do Brasil, o que pode auxiliar na recuperação da saúde financeira do país. De acordo com ele, o aumento da taxa de desemprego também é um dos motivos para ligar o alerta. “Para mudar esse quadro, é preciso manter a política de valorização do salário mínimo, fortalecer a classe trabalhadora e priorizar investimentos em infraestrutura, além de colocar em prática uma política de redução da taxa de juros. O ajuste fiscal não pode ser um fardo para o povo”.

Já o assessor jurídico da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), José Geraldo Santana, falou sobre a importância das negociações coletivas. “Uma das obrigações prioritárias de toda entidade sindical é a de negociar melhores condições de trabalho e salário para seus representados, para além daquilo que a Constituição e a legislação já asseguram. Trata-se de algo não muito fácil em qualquer contexto da sociedade capitalista, notadamente nesse contexto recessivo e de grandes conturbações políticas da vida brasileira”, ressaltou.

Ele abordou também o papel dos sindicatos na democracia. “O sindicato foi fundamental para a construção da cidadania e da democracia em todas as partes do mundo e continua sendo o maior instrumento de luta dos trabalhadores. Posso dizer que os sindicatos não se envelhecem jamais e, enquanto existirem sociedades de classe, eles serão fundamentais para o Estado democrático de Direito”.

Confira a galeria de fotos do evento

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha