Notícias

Colégio Santa Dorotéia descumpre medidas de prevenção à Covid-19

Enviar por e-mail
Imprimir página Imprimir agora
Tamanho das letras A+ A-

A pedido do Sinpro Minas, a vigilância sanitária de Belo Horizonte fiscalizou o Colégio Santa Dorotéia, na região Centro-Sul da capital, e encontrou irregularidades no cumprimento de medidas do protocolo sanitário.

De acordo com o órgão, no momento da inspeção foi constatado o descumprimento de normas de prevenção à Covid-19, entre elas a ausência de distanciamento de 1 metro entre os estudantes e suas carteiras em sala de aula.

Em função das irregularidades, o Colégio foi advertido a realizar as adequações necessárias, e uma nova fiscalização ocorrerá para verificar o cumprimento das exigências feitas.

“Essa tem sido uma realidade frequente, infelizmente. As escolas anunciam que estão tomando as medidas necessárias, mas, na prática, várias denúncias são feitas por professores e pais, preocupados com o descumprimento das normas previstas nos protocolos. São denúncias de salas lotadas, de casos da doença sem o devido afastamento das turmas ou das pessoas que tiveram contato, de pressão para que não reclamem ou denunciem, entre outras”, afirma a diretora do Sinpro Minas Telma Patrícia Santos.

De acordo com a diretora, toda denúncia de descumprimento dos protocolos sanitários enviada ao sindicato é repassada às vigilâncias sanitárias dos municípios, com um pedido de fiscalização. No momento, o sindicato aguarda o retorno das outras denúncias encaminhadas.

“Como cada município tem elaborado seus protocolos, é importante que as denúncias sejam feitas, para que todas as medidas de segurança sejam cumpridas. São normas que garantem a saúde não só dos docentes, mas de toda a comunidade escolar. Da nossa parte, iremos continuar a luta para garantir direitos, melhores condições de vida e trabalho da categoria e preservar a saúde mental e física dos professores”, destaca a diretora.

Em junho, o Sinpro Minas lançou um canal de denúncias sobre Covid-19 nas escolas. As denúncias podem ser feitas por professores, pais, alunos ou outros membros da comunidade escolar, e de forma anônima (clique aqui para acessá-lo).

Comentários (1)

  1. Sonia disse em

    Me causa estranheza essa constatação da vigilância sanitária sobre o distanciamento, acredito que haja um equivoco no distanciamento das carteiras, mas mesmo não tendo os exatos 1metro, as crianças sentam em cadeiras intercaladas, utilizam mascaras em tempo integral e substituem em determinado momento do dia, leva em sua mochila seu próprio álcool para higienizar o material e tantos outros cuidados que tenho observado com o meu filho estudante do 4o ano. Temos que ser tolerantes e compreensivos com as escolas, pois elas tem feito muito para se ajustar, diferente dos bares, clubes, supermercados etc. Acredito que viveremos essa fase de transmissão controlada durante muito tempo. Teremos que nos adequar. Lembrando aqui que até as torcidas de futebol estão retornando as arquibancadas.

Deixe um comentário