Notícias

Correa impõe condições para solucionar conflito diplomático com Colômbia

5 de março de 2008

O presidente do Equador, Rafael Correa (foto), impôs três condições para a solução da crise diplomática com a Colômbia após a morte de militantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em território equatoriano na semana passada.Correa exigiu um pedido de desculpas do governo colombiano sem justificativa das ações e um compromisso formal de que operações militares do tipo nunca mais se repetirão. Ele também pediu o reconhecimento de que a Colômbia montou uma farsa para vincular o governo do Equador às Farc.

O presidente equatoriano apresentou as exigências hoje (4) à noite, logo após chegar a Brasília. Amanhã (5), Correa terá uma conversa com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Em entrevista coletiva, Correa referiu-se ao presidente colombiano, Álvaro Uribe, com termos agressivos, como “mentiroso” e “canalha”. Segundo Correa, desde o princípio, Uribe sabia onde estava Raúl Reyes, o número dois das Farc, morto na operação militar.Correa também ressaltou que Uribe tinha conhecimento de que estava em andamento uma negociação para libertar 12 reféns das Farc, incluindo a ex-senadora colombiana Ingrid Betancourt. “Ele [Uribe] deixou para atacar quando a liberação dos reféns era iminente, para abortar acordo humanitário”, acusou.O presidente equatoriano repudiou ainda as alegações do governo colombiano de que a operação militar representou uma defesa legítima. “Não houve enfrentamento, mas um massacre”, declarou. “Foi uma descarada agressão à soberania de um país.”Correa negou que o Equador esteja ajudando as Farc e alegou que o contato com o grupo guerrilheiro foi apenas de caráter humanitário: “O único contato que tivemos com as Farc foi para tratar da libertação dos 12 reféns”.Na avaliação de Correa, a apresentação de indícios pelo governo colombiano foi uma farsa montada por Uribe. “Seria impossível saírem três computadores intactos com informações após um bombardeio como o que ocorreu”, ponderou.Segundo o presidente do Equador, Uribe quer fomentar guerra na região. “Este é um problema regional. O presidente Uribe não quer a paz, quer a guerra. Isso é um perigo para a região”, afirmou. “Espero que a comunidade internacional não apóie apenas o Equador, mas sim, os princípios do direito internacional.”Correa chegou hoje (4) à noite vindo do Peru. Amanhã (5), ele encontra Lula às 10h. Depois, o líder equatoriano segue para Venezuela, Panamá, Nicarágua e República Dominicana. No giro, ele pedirá apoio dos países da região em repúdio à ação da Colômbia.Fonte: Agência Brasil

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha