Notícias

Crise financeira faz “economia subterrânea” aumentar participação no PIB

14 de maio de 2009

A economia subterrânea aumentou em 13,6% sua participação no Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país) entre setembro e dezembro do ano passado, período em que a crise internacional começou a atingir o Brasil. No último trimestre de 2007, o crescimento havia sido de apenas 3,8%. Os dados foram divulgados hoje (14) por uma pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Esse setor representa tanto a economia informal quanto os procedimentos ilegais adotados por setores da economia formal, como a sonegação fiscal e o descumprimento de leis. Segundo a FGV, o crescimento da participação deste segmento no PIB deve-se tanto ao encolhimento da economia formal quanto ao aumento da economia subterrânea, que cresceu 9,5%.

Para o pesquisador da FGV Fernando de Holanda Barbosa Filho, isso pode ser explicado pela contração do crédito no Brasil, que atingiu a economia formal, mas não a subterrânea. “A impressão que dá é que a crise econômica não afetou a economia subterrânea, porque o principal canal da crise no Brasil foi o crédito. Como ela não é dependente do crédito, ela continuou sua trajetória naturalmente”, disse.

A expectativa do pesquisador é que, no primeiro trimestre deste ano, que ainda não foi medido, a economia subterrânea tenha finalmente encolhido. A explicação, segundo ele, é que as economias formal e subterrânea são dependentes uma da outra, no Brasil. Ou seja, quando cresce a atividade econômica, cresce também informalidade, porque o dinheiro de um setor alimenta o outro e vice-versa.

Por isso, apesar de não ter sentido a crise financeira naquele primeiro momento, a economia subterrânea deve começar a seguir o rumo da economia formal e também reduzir seu ritmo de crescimento. Além de ser alimentada pela atividade econômica formal, a economia subterrânea é também ampliada quando há maior carga tributária e maior percepção da corrupção entre o empresariado brasileiro.

Os dois últimos fatores, aliás, foram os principais responsáveis pelo aumento deste segmento da economia, no último trimestre de 2008. Segundo os dados da FGV, a percepção da corrupção foi responsável por 31,5% desse aumento, enquanto a carga tributária respondeu por 69,3%.

 Para o presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (Etco), André Franco Montoro Filho, essa pesquisa comprova a tese de que o aumento da carga tributária estimula a economia subterrânea.

“Temos usado esses dados para argumentar tanto com as autoridades estaduais quanto federais sobre a necessidade de não se aumentar mais a carga tributária e, se possível, reduzi-la. E um dos elementos fundamentais para isso é o combate à sonegação, porque, na medida em que todos paguem, é possível reduzir a carga tributária”, disse Montoro.

A pesquisa da FGV também mostrou que a economia subterrânea cresceu 27,6% em 2008, em relação a 2007, e, neste período, ampliou sua participação no PIB em 27,1%. Em 2007, o crescimento da participação no PIB havia sido de apenas 5%.

Fonte: Agência Brasil

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha