Notícias

Evento marca os 30 anos da lei da anistia no Brasil

24 de agosto de 2009

O Sinpro Minas realizou, na noite da última sexta-feira (21/8), no auditório do sindicato, um evento para marcar os 30 anos da Lei da Anistia no Brasil. Na ocasião, 15 mulheres foram homenageadas, em nome de todas aquelas que lutaram contra a ditadura militar e pela democratização do país. Mais de cem pessoas participaram da atividade. 

“Temos aqui mulheres símbolos da resistência a um regime em que a liberdade política estava cassada, e acreditamos que as histórias singulares dessas combatentes precisam ser lembradas sempre, porque elas fazem parte da história do país”, disse a diretora do Sinpro Minas Lavínia Rodrigues.

Segundo ela, a luta da anistia permanece atual, pois a lei equiparou os que lutaram contra o regime militar aos que praticaram atos de tortura. “Precisamos cobrar a punição rigorosa dos torturadores, pois a tortura é um crime imprescritível”, defendeu a diretora. O presidente do sindicato, Gilson Reis, citou o recente golpe militar em Honduras para lembrar que as sociedades não estão livres desse risco. “É preciso que a gente permaneça atentos”, afirmou.

Para a presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte, Luzia Ferreira, a Lei da Anistia (28 de agosto de 1979) pode ser interpretada como a primeira vitória dos movimentos populares de esquerda contra o regime militar no país. Mas, segundo ela, a democracia brasileira ainda tem déficits, entre eles a baixa participação feminina na política. “Não construímos os mecanismos que pudessem incorporar as mulheres no poder. Esse déficit é uma luta de toda a sociedade, de todos aqueles que continuam lutando para reparar as injustiças”, defendeu a vereadora. 

A diretora do Sinpro Minas Lavínia Rodrigues

O evento também marcou o lançamento da terceira edição da revista Elas por Elas, publicação do sindicato sobre questões de gênero. A reportagem de capa destaca o Movimento Feminino pela Anistia, que teve um papel fundamental para a formação do cenário político na década de 70, e a atualidade da luta por meio das mobilizações pela abertura dos arquivos, pela busca dos desaparecidos e pela punição dos torturadores. “Essa revista é uma contribuição ao debate de gênero e à luta pela emancipação das mulheres”, argumentou Gilson Reis.  

O tema da anistia também foi abordado pelo Extra-Classeprograma de TV do sindicato – desse domingo (23/8), em entrevista com José Luiz Quadros, professor da Puc Minas e da UFMG, doutor em Direito e membro da Sociedade Ciência e Democracia. Assista abaixo ao programa.

A programação de agosto do cineclube Joaquim Pedro de Andrade também é voltada para o assunto. Três obras cinematográficas já foram exibidas neste mês e, nesta terça-feira (25/8), será a vez de “Araguaia, conspiração do silêncio”, às 19 horas. Confira a programação e participe. A entrada é gratuita.   

Nos dias 27 e 28 deste mês, os 30 anos de luta pela anistia no país serão discutidos na Assembleia Legislativa, em evento que vai reunir parlamentares, especialistas e familiares dos desaparecidos políticos, entre outros envolvidos no debate (Saiba mais sobre o evento no site da ALMG).

Clique aqui e confira a lista das homenageadas.Leia matéria: Tarso: reconciliação política só vai acontecer quando torturadores forem levados aos tribunais

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha