Notícias

Professores paralisam atividades no Uni-BH

16 de fevereiro de 2009

Na manhã desta segunda-feira (16/02), houve paralisação das atividades acadêmicas nos três campi do Uni-BH em resposta à falta de transparência no processo de venda da instituição e ao não pagamento de salários atrasados. A adesão total à paralisação foi constatada no campus Diamantina (100%), parcial nos campus Estoril (50%) e Lourdes (20%). O Sinpro Minas considera essa mobilização uma vitória dos professores, e espera uma grande participação da categoria na assembleia das 16 horas de hoje (16/02), no Bristol Merit Hotel (Rua Tamóios, 341 – Centro – BH), para deliberar sobre os rumos do movimento. Após avaliar o cenário de falta de transparência que envolve a venda do Uni-BH, os professores decidiram, na assembleia da quarta (11/02), recusar a proposta apresentada pelo Grupo Ânima, que prevê, entre outras coisas, a quitação do salário de dezembro, das férias e do 13º salário em atraso, em três parcelas até maio.Nesse ínterim, chegou ao conhecimento do Sinpro a notícia de que, no final da tarde de sexta-feira (13/02), foi confirmada a venda do Uni-BH para o grupo Ânima com a aprovação do Ministério Público, com um repasse financeiro para a FUNDAC como compromisso da negociação. Caso essa transação se confirme, o sindicato exige transparência no processo para que esse dinheiro seja usado para o pagamento imediato dos salários atrasados dos professores.Educação não é mercadoriaSem receber os salários de novembro, dezembro, 13º, férias e 1/3 a que têm direito, os professores iniciaram o semestre sem nenhuma garantia de quitação do passivo trabalhista, que também inclui uma ação de cumprimento, tramitada em julgado, por atraso de pagamentos e resilições não pagas. Paralelo a isso, a assembleia de professores, acontecida no do dia 11 de fevereiro, deliberou pela cobrança de estabilidade dos professores e auxiliares pelo período de 1 ano, durante a transição de mantenedoras, além da garantia das bolsas sociais e estágios e manutenção dos programas de pesquisa e extensão.O Sinpro Minas acompanha, preocupado, o avanço do processo de mercantilização da educação no estado, que vem acontecendo principalmente por parte de grupos empresariais paulistas. Com o discurso da eficiência administrativa, esses grupos vêm adquirindo importantes instituições de ensino em Minas Gerais e adotando práticas administrativo-pedagógicas que retiram direitos trabalhistas, reduzem o corpo docente e precarizam as atividades-meio na maioria das escolas que incorporam.As decisões da assembleia dos professores do Uni-BH têm importante papel no debate sobre a mercantilização do ensino, o fortalecimento da luta pela qualidade do ensino e a garantia dos direitos adquiridos. A valorização do profissional docente é também a defesa da educação.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha