Notícias

Sinpro Minas apoia luta de professores/as municipais de Montes Claros

25 de abril de 2022

O Sinpro Minas manifesta apoio à luta dos/as professores/as da rede municipal de Montes Claros que, desde o último mês de março, estão em uma legítima mobilização, pelo pagamento do piso salarial nacional e por mais valorização profissional. Assim como os/as professores/as da rede municipal de Belo Horizonte e do estado de Minas Gerais, esses/as trabalhadores/as têm construído uma luta não só pela valorização da categoria, mas também da educação.

Em ofício enviado à Prefeitura de Montes Claros, em março deste ano, o presidente do Sind-EducaMoc, Everton Roberto Thomaz, destacou o quanto o cumprimento do pagamento do piso salarial está diretamente relacionado à construção de uma educação de qualidade e transformadora. “Estudos no mundo inteiro, inclusive no Brasil, apontam que a valorização dos profissionais da educação é uma condição inegociável quando se tem pretensão em gerar qualidade de ensino capaz de formar uma sociedade justa e cidadã”, destacou. Também ressaltou que a Lei Federal nº 11.738, de 16 de julho de 2008, que trata sobre o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica, foi feita seguindo as orientações científicas que mostram os inúmeros benefícios para a população quando se tem valorização adequada dos profissionais da educação.

Para a presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, cada mobilização em defesa dos direitos da categoria docente também é uma reflexão sobre a educação que queremos construir. “Os professoras e professoras de Montes Claros estão em luta por um direito garantido em lei. E é uma luta que é também de toda a sociedade. Não tem como querer uma educação de qualidade, sem valorizar os/as trabalhadores/as que constroem a educação”, afirma.

Vale lembrar que, de acordo com o Sind-EducaMoc, há seis anos, a diferença entre o cargo completo e o piso era de aproximadamente 200 (duzentos) reais. Em 2022 esta diferença passa de 1.600 (mil e seiscentos) reais. Fica nítida a defasagem do salário em relação à inflação e ao piso. Além da ausência do plano de carreira, que já deveria ter sido aprovado, e está engavetado. Os/as servidores/as também apontam que o último concurso público foi feito há mais de 12 anos.

A diretora do Sinpro Minas Nalbar Alves, que atua na regional de Montes Claros, reitera também o apoio do sindicato à luta dos/as servidores/as municipais por mais direitos e valorização. “É extremamente importante fortalecer essa luta e exigir que o prefeito cumpra o pagamento do piso salarial”, afirma.

Os/as servidores/as seguem mobilizados/as e acompanham a tramitação de uma emenda ao Projeto de Lei nº 42/2022, encaminhado pelo Poder Executivo, que prevê o reajuste de 10,06% dos salários dos servidores públicos municipais, integrantes do quadro de provimento efetivo e comissionados. Com a emenda, para os cargos do magistério do município, esse reajuste tem que corresponder, obrigatoriamente ao valor do piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica.

O Sinpro Minas reforça o apoio a essa luta nos diversos espaços em que seja possível avançar por mais direitos e se solidariza com todos/as os/as professores/as que sofrem a injustiça histórica de ter que demonstrar o valor do seu trabalho.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha