Notícias

Sinpro Minas participa de debate sobre Plano Decenal de Educação

14 de maio de 2009

Os especialistas que participaram, nesta quinta-feira (14/5), do painel “Educação Superior em Minas Gerais”, que abriu a programação do segundo dia da etapa final do Fórum Técnico Plano Decenal de Educação em Minas Gerais: Desafios da Política Educacional, constataram a necessidade de um diagnóstico detalhado do sistema de ensino superior do Estado, como forma de elaboração de políticas públicas para o setor. O evento termina nesta sexta-feira (15). O presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, participou da atividade. Na opinião dele, o que está sendo discutido não é um plano de governo, mas um projeto de Estado para a educação nos próximos dez anos. Por isso, é importante democratizar e ampliar esses debates à toda a população de Minas.O Sindicato dos Professores participa intensamente dos debates, para propor mudanças que busquem a qualidade da educação no estado. O Fórum recebeu 1002 sugestões de modificações ao projeto de lei 2215, que cria o Plano Decenal. Essas propostas resultaram da participação popular nos oito encontros regionais e pela internet.Promovido pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e diversas entidades da sociedade civil ligadas ao segmento, o evento pretende levantar sugestões para o Projeto que contém o Plano Decenal de Educação e estabelece objetivos, metas e ações para a política educacional do Estado nos próximos dez anos.Representantes do Movimento Educação que temos, Educação que queremos, composto por diversas entidades sociais, entre elas o Sinpro e Federação Quilombola, também apresentaram um documento com várias propostas para o Plano. Durante o Fórum, professores e especialistas cobraram recursos públicos e a participação da sociedade para que as metas do Plano se transformem em realidade. A plenária aprovou as propostas que comporão o documento final, a ser apreciado pelos deputados. Para o movimento, o Plano deve refletir as aspirações da sociedade.De acordo com o diretor do Centro de Estudos sobre Ensino Superior e Políticas Públicas para a Educação da UFMG, Jacques Schwartzman, o diagnóstico deve retratar, por exemplo, as razões pelas quais há falta de professores qualificados para atuarem nas universidades estaduais. Para ele, é preciso ainda que sejam definidos caminhos para o crescimento e desenvolvimento das universidades, critérios mais claros na criação e homologação de novos cursos superiores pelo Conselho Estadual de Educação e uma melhor forma de financiamento estudantil.O presidente da União Estadual dos Estudantes, Diogo de Oliveira Santos, reforçou a necessidade de um diagnóstico que retrate fielmente a realidade do ensino superior em Minas. Para ele, o sistema é deficitário e o baixo investimento no financiamento dos alunos é o maior problema. “As vagas no Estado são inferiores à média nacional, assim como o investimento, que é apenas um terço da média oferecida em âmbito federal”.Programação – O fórum teve prosseguimento ainda na manhã desta quinta-feira (14), com o painel sobre a formação e a valorização dos professores da educação, financiamento e gestão e diálogo entre as redes de ensino e sua integração. À tarde, reúnem-se os grupos de trabalho, que irão formalizar as propostas para o Plano Decenal de Educação.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha