Notícias

Documentário evidencia os males do Novo Ensino Médio

12 de junho de 2023

Por Rede Brasil Atual 

O cineasta Carlos Pronzato lançou nesta semana o documentário “NEM (Novo Ensino Médio) – Um Fracasso Anunciado”. A obra de pouco mais de 30 minutos dá voz aos estudantes sobre a reforma no método de ensino, em discussão no governo federal. A proposta das mudanças foi imposta, sem participação popular, pelo ex-presidente Michel Temer (MDB). Então, Jair Bolsonaro (PL) deu continuidade ao projeto. Agora, o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) revê a questão.

Na terça-feira (6) o ministro da Educação, Camilo Santana, prorrogou por mais 30 dias as consultas públicas sobre o tema. O período inicial foi de 30 dias, contudo, a pasta avalia a necessidade de mais diálogo, algo que lideranças, educadores e estudantes concordam. Existe uma avaliação de que o governo pode parar a implementação do regime, ou alterar de forma a não trazer danos aos estudantes.

“Reconhecemos que não houve um diálogo mais aprofundado para a implementação. E não houve uma coordenação por parte do Ministério da Educação — foi omisso principalmente no período difícil da pandemia”, disse Santana.

Muitas críticas

As críticas ao NEM não são poucas. Entre elas, está o enfraquecimento de disciplinas críticas como a retirada de boa parte da grade de filosofia e sociologia para a implementação de matérias voltadas apenas ao mercado de trabalho, como “projeto de vida”. Os problemas vão além. Da forma como está pensado, sem estrutura para os estudantes, alguns deles teriam de frequentar mais de uma escola para cumprir a grade horária. Além disso, seria impossível conciliar trabalho e estudo, o que retiraria muitos estudantes que precisam trabalhar das salas de aula.

O documentário de Pronzato caminha no sentido de ampliar as discussões. O material está disponível gratuitamente no YouTube, bem como no final desta matéria. “Esse projeto já morreu no sentido que é impossível de ser implementado em sua totalidade. Gera uma humilhação para os professores que se formam para lecionar um conjunto de disciplinas e estão sendo levados a lecionar disciplinas estapafúrdias”, argumenta o educador Daniel Cara. “A reforma vai deixar de existir porque os alunos não aguentam”, completa.

Já o professor Márcio Alves de Oliveira, que também participa, reforça as críticas. “O que temos nos últimos anos, inclusive com o teto de gastos que congelou recursos e foi apresentado ao mesmo tempo da reforma do ensino médio, vemos a diminuição dos recursos”, explica. “É a primeira política concreta que as empresas construíram em educação no Brasil. E é um completo fracasso”, sentencia Cara.

Assista na íntegra:

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha